Terça-feira, 28 de Novembro de 2006

Anúncio de uma nova conjuntura


          A Junta de Serro Ventoso anuncia a inauguração de um novo centro de saúde na freguesia. Por seu lado, a Junta de S. João inaugurou, pela primeira vez em 700 anos, uma nova sede na sua própria freguesia. A Câmara anuncia querer iniciar as obras de saneamento na vila de Mira de Aire e não abdica de embelezar a vila de Porto de Mós. Afinal, a quantas vozes se faz o desenvolvimento do concelho?


          A resposta a esta pergunta encerra em si a própria concepção política do nosso poder autárquico. A atitude desafiadora das Juntas de Serro Ventoso e de S. João que assinalam um ano de mandato com inaugurações à revelia do actual poder municipal pode ser visto obviamente como uma forma de confronto político-partidário momentâneo ou então, despida a “camisola partidária”, poderá revelar algo mais profundo, sinal de que as Juntas de Freguesia querem ter a autonomia que a lei lhes confere para gerir a sua própria agenda de desenvolvimento local. Esta é uma pretensão respeitável, e assim, o município terá um  desenvolvimento a tantas vozes quanto o espírito empreendedor dos seus autarcas ditar. Aqui reside uma das virtudes do poder local democrático.

          Todos sabemos, contudo, como a Câmara pode condicionar este movimento e até “fazer batota” política com a administração da aprovação de projectos e financiamentos. No fundo, e numa lógica de manutenção do poder, a Câmara pode escolher “filhos”, rejeitar “enteados” e travar iniciativas locais que dêem protagonismo a alguns presidentes de Junta inconvenientes.  E no entanto, o que os eleitores do concelho esperam é que a Câmara seja motor e não travão. A bem do município e do serviço público que presta aos munícipes, a Câmara, que não detém o monopólio do desenvolvimento local, nunca deveria cair na tentação de despir a camisola de Presidente de Junta aos eleitos locais porque isso significaria que as Juntas de Freguesia passariam a ser simples delegações da Câmara Municipal, numa completa subversão do sistema político local.

          No passado recente, e sob o manto protector do Partido Social Democrata, qualquer freguesia que reclamasse o direito à autonomia que a lei lhe confere, era votada ao ostracismo porque colocava em causa o bom nome e a pretensa unidade do município. Hoje, que um certo défice democrático foi aparentemente superado, o que se pede aos detentores de cargos políticos, na Câmara ou nas Juntas de Freguesia, é que deixem definitivamente de lado o jogo da pura gestão individual das suas carreiras políticas e assumam a responsabilidade da condução do nosso destino comum. Sem complexos de poder, uns e outros têm uma terra por desenvolver, bem-estar e paz social para proporcionar a todos os portomosenses, da Calvaria ao Arrimal. O reconhecimento dos eleitores advirá pelo mérito e competência e não por "truques" mais ou menos bem encenados. Afinal foram os portomosenses quem escolheu esta conjuntura política e, assim pôr à prova os nossos políticos locais.

publicado por Joga às 21:04

link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Carlos Venda a 30 de Novembro de 2006 às 21:11
Penso que a questão é importante, e leva-me sempre a pensar que o problema está na falta de planificação para o nosso concelho. Temos só uma lista de promessas soltas. Mesmo cumpridas, muitas delas, vão ser um desperdício de dinheiro gasto, porque não foram pensadas nem integradas no que existe e naquilo que gostaríamos de viesse a ser o nosso concelho nos próximos anos. Perante esta base ou a falta dela para o nosso concelho, as juntas, ou tentam lutar pelas infra estruturas necessárias para a sua freguesia de acordo com a sua população, ou aguardam que um dia lhe calhe alguma promessa eleitoral. O objectivo que deveria ser comum, o desenvolvimento integrado de todo o concelho passa a ser o objectivo de cada freguesia.
Perante este quadro, a questão não se põe por protagonismo, mas trabalhar para que a população da freguesia possa usufruir também das melhores condições de vida.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Penso que a questão é importante, e leva-me sempre a pensar que o problema está na falta de planificação para o nosso concelho. Temos só uma lista de promessas soltas. Mesmo cumpridas, muitas delas, vão ser um desperdício de dinheiro gasto, porque não foram pensadas nem integradas no que existe e naquilo que gostaríamos de viesse a ser o nosso concelho nos próximos anos. Perante esta base ou a falta dela para o nosso concelho, as juntas, ou tentam lutar pelas infra estruturas necessárias para a sua freguesia de acordo com a sua população, ou aguardam que um dia lhe calhe alguma promessa eleitoral. O objectivo que deveria ser comum, o desenvolvimento integrado de todo o concelho passa a ser o objectivo de cada freguesia. <BR>Perante este quadro, a questão não se põe por protagonismo, mas trabalhar para que a população da freguesia possa usufruir também das melhores condições de vida. <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Nao</A> encetando o concelho esta forma de gerir e planificar, o que é muito mau, no mínimo o que se pede à câmara e que ajude as juntas financeiramente de acordo com a possibilidade dos orçamentos de cada um e " não faça batota " administrativa. <BR>Não sendo possível a junta planificar o todo, pelo menos deve planificar a sua freguesia. Mas se não dispuser de recursos mínimos para isso, ou se não existir dinâmica, então não é mesmo possível . E se na câmara em vez de ser motor for travão ,então <BR>mais difícil se torna. <BR>

Comentar post

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>feeds