Quinta-feira, 9 de Julho de 2009

Uma questão pessoal

Eu, João, filho da Lhuca e do Almanaque, neto da ti Laura Serrana e Manel Galo, da Ti Guilhermina e  Francisco Gabriel, sobrinho-bisneto do jornalista de ideias e impulsionador da restauração da diocese de Leiria, P.e Júlio Pereira Roque, engenheiro electrotécnico, coordenador dos repórteres de imagem da TVI e filhote legítimo da freguesia de Alqueidão da Serra, minha aldeia natal, sinto um desafio interior, um impulso, que me move e perturba ao mesmo tempo.

 
          O que poderei fazer para devolver a justiça à minha terra, honrando os meus antepassados e as lutas que tiveram pelo desenvolvimento local, como, por exemplo, a batalha pela alfabetização da laboriosa e proletária população da freguesia, a luta pela construção de vias de comunicação que tirassem do isolamento toda esta população serrana, os duelos com a camionagem Roque & Alcobia (mais tarde chamada Ribatejana) e com o município (que agiam em conluio) para que passasse pela freguesia uma carreira de transportes colectivos que levasse pessoas e mercadorias para Leiria ou Lisboa, a secular e crónica falta de abastecimento domiciliar de água e, actualmente, a escandalosa usurpação, pela Câmara Municipal, do justo rendimento proveniente da renda do parque eólico instalado nos terrenos baldios da Freguesia?
          Nos quase 400 anos que a minha aldeia leva como Freguesia, a história regista apenas um presidente de Câmara que olhou para esta população com o sentido do dever e justiça que o cargo de presidente do município o obrigava. Seu nome, José Candeias Duarte – professor primário, inspector primário da República, presidente da Câmara e Administrador do Concelho. Foi isto no inicio do século XX, há cerca de cem anos, portanto.
          Nas próximas eleições autárquicas, para a cadeira de presidente da edilidade, concorrem duas personalidades, que, não sei até que ponto, não serão “almas gémeos” na má tradição municipal de ostracizar a população da freguesia de Alqueidão da Serra e, mais do que isso, actualmente lhe usurpa os recursos financeiros que, pela lei natural, legitimamente lhe pertencem.
         Será que a partidocracia da sede do concelho, movida apenas por pura e mesquinha inveja, vai vingar no isolamento político da minha freguesia com o único intuito de a espoliar dos rendimentos que os seus terrenos geram?
         Os alqueidanenses livres e responsáveis, mas apaixonados pela sua terra, terão que ter uma resposta política para esta conjuntura e o próximo acto eleitoral autárquico é o momento. Por mim, estou disponível para servir a minha terra e os meus conterrâneos, honrando os nossos antepassados e as suas lutas pelo interesse colectivo. As negociações que contemplam o meu apoio pessoal ao candidato Júlio Vieira estão a chegar a um ponto crucial.

Segue João Gabriel no Twitter

publicado por Joga às 00:01

link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De Sarrano a 10 de Julho de 2009 às 15:35
cópia meu comentário do vila forte

Isto só vem provar que o Concelho de Porto de Mós sempre foi e será gerido de forma a alimentar quem sempre soube colocar os interesses da sua capelinha em desfavor do Concelho e este senhor que nos seus textos vem falar de favorecimento histórico da vila, vem agora falar em negociação para o Alqueidão.Um artista da câmara de filmar que de repente se lembrou de mudar de cor no tabuleiro de xadrez politico cá da terra, era bom lembrar que os cataventos já foram substituidos aerogeradores a ele que se auto intitula engenheiro electrotécnico, a esquizófrenia é tanta que num blog que retém os comentários e onde não deviam haver anónimos, à anónimos que depois têm direito a resposta dele próprio.Um regalo este Joga.Espero que o Júlio que saiu da mesma fornada dos nossos pesudo politicos que teimam em dominar a nossa terra não se deixe embalar pela mão esquerda do facilitismo politico e de quem quer chupar na teta que agora parece ir dar leite.Este senhor é um oportunista que merece um valente pontapé nos entrefolhos.
Era bom que justificassem o porquê das diferenças enormes de rendimento que o Sr Paulo fala entre várias freguesias.o que moverá este Joga, vento não será certamente , é que o vento não bate assim................................................................................................................!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
(um anónimo e com muito gosto, a coragem felizmente não se mede na blogosfera senão estávamos no mesmo patamar e eu considero que o meu trabalho dia a dia contribui para o nosso concelho ao contrário de si que só sabe mandar larachas semanais neste seu seu mundo virtual,isto não é o Fantasportodemós,é mesmo real)
De Joga a 10 de Julho de 2009 às 18:17
Caro(a) senhor(a)
A minha liberdade de expressão permite-me não responder a este seu cobarde comentário. A democracia encarregar-se-á de curar a sua doença mental.

Comentar post

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>feeds