Quinta-feira, 26 de Março de 2009

Uma flor na lapela

          Apesar de uma aparente quietude primaveril, começam a esboçar-se alguns contornos da estratégia político-partidária para o confronto eleitoral autárquico. Como em qualquer festa popular em que os organizadores se desdobram discretamente nos preparativos, este é o tempo de preparar a festa da democracia local.

 

          No XII Congresso da Federação Distrital do PS, em Novembro passado, ficamos a saber que este partido apoia de novo Salgueiro como candidato. De resto, a lista do PS parece já estar alinhavada tendo Albino Januário assegurado aparentemente o lugar de “alter-ego” de Salgueiro. Só a Lei da Paridade poderá trazer alguma novidade estando em causa a posição de Jorge Cardoso e eventualmente o lugar de Rui Neves que dependerá do resultado eleitoral se for o quarto elemento da lista. O PSD anda a auscultar a sociedade civil pelas freguesias convidando os munícipes a participar na construção de uma alternativa de poder credível. Não anunciou ainda o candidato a presidente da Câmara e, menos ainda, qualquer nome da lista eleitoral. Antonieta Mariano, do CDS, já anunciou que não se candidatará mas que está disponível para participar numa solução mais ampla, piscando o olho a uma eventual coligação. Quanto à CDU, espera-se uma participação militante e autónoma, como de costume.

          Ao fim de quase quatro anos de mandato, o executivo de Salgueiro está esgotado de soluções e ideias, embrenhado em contradições constantes de discurso, indignas das funções públicas que o povo lhe confiou. Porque procura resolver os problemas usando a mesma forma de pensar que os criou, este executivo caiu no imobilismo, sem visão para ler e saber resolver, no devido tempo, os actuais e os antigos problemas da nossa terra. Em termos eleitorais irão, como sempre, inaugurar algumas obras de fachada de oportunidade duvidosa, pagas com os recursos de todos, como trunfos eleitorais e esperar por algumas propostas da oposição como inspiração para o seu próprio caderno de novas promessas. Cada vez mais, parece-nos, o PS de Porto de Mós é o partido de um homem só e do seu “alter-ego”, estando completamente desbaratado todo o capital de competência, de seriedade e de solidariedade com a comunidade portomosense.

          A actual estrutura do PSD local parece-nos estar a fazer o trabalho da formiga da história de La Fontaine mas tem ainda um longo caminho a percorrer na coesão interna, na continuação do diálogo com a sociedade portomosense, na apresentação de soluções concretas para problemas antigos, na elaboração de uma visão mobilizadora para o futuro do nosso concelho e na apresentação de um rosto com peso político acompanhado por uma equipa de elevado potencial humano.

          Aproxima-se o tempo do exercício formal da democracia, altura propícia para provocar novos equilíbrios politico-sociais, solucionar, por via disso, alguns problemas, e, apesar da crise em que estamos mergulhados, abrir uma nova janela de esperança para o nosso futuro colectivo. O voto mais do que uma arma, é uma flor na lapela, um sorriso nos lábios, um brilhozinho nos olhos e um palpitar de coração… pela nossa terra.

publicado por Joga às 00:01

link do post | favorito
De Maria Antonieta a 26 de Março de 2009 às 20:58
Antonieta Mariano, do CDS, já anunciou que não se candidatará mas que está disponível para participar numa solução mais ampla, piscando o olho a uma eventual coligação
Meu caro amigo, O CDS vai a votos sozinho.
Sem coligações.
Assim clarinho como a água.
O CDS estaria disposto apenas a fazer parte de uma plataforma alargada independente incluindo movimentos cívis. Em suma uma grande plataforma com umprojecto para o concelho que fosse galvanizador.
Coligações á esquerda ou á direita não.
O CDS irá portanto apresentar candidatura sozinho.
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>feeds