Quinta-feira, 15 de Janeiro de 2009

No rasto do amianto

          O Instituto Regulador da Água e Resíduos solicitou à Câmara Municipal esclarecimentos quanto às análises complementares, não obrigatórias, feitas à água da rede de Alqueidão da Serra por forma a obter informações mais completas e detalhada da existência ou não de partículas de amianto na água para consumo humano.

 

          A solicitação do IRAR pretende dar resposta ao alerta por nós lançado junto daquela instituição, uma vez que, sendo o amianto uma substância cancerígena e uma grande parte da rede pública de abastecimento de água do nosso concelho ainda ser constituída por tubagem de fibrocimento, é importante saber até que ponto poderá estar em perigo a saúde pública dos munícipes quando ingerem água que esteve em contacto com aquela substância.

           Segundo o guia para lidar com o amianto, elaborado pela Administração Central de Saúde, o caso não será assim tão grave, uma vez que o grande perigo para a saúde pública destes agentes cancerígenos está na inalação das fibras minerais que se soltam e contaminam o ar e não tanto na ingestão, por alimentos ou água contaminada, ou na exposição cutânea. Os efeitos que podem advir da ingestão são, ainda assim, muito controversos e dividem os investigadores.

          Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), refere o mesmo guia, “a ingestão de fibras de amianto não constitui qualquer perigo para a saúde.”

          O princípio da precaução terá, assim, estado na origem da diligência do IRAR junto dos Serviços de Água e Saneamento da Câmara Municipal de Porto de Mós, faltando apenas conhecer os resultados.

          De resto, e de acordo com a informação disponível naquele instituto regulador, a Câmara de Porto de Mós realizou, em 2008, todas as análises previstas no programa de controlo da qualidade da água, não tendo incorrido em qualquer incumprimento.

publicado por Joga às 00:01

link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Mirense a 17 de Janeiro de 2009 às 13:00
Parabens por estar a cumprir com a legislação em vigor.
Outra coisa não seria de esperar.
Quanto a esta questão,lembremo-nos que a cobertura do pavilhão de Mira de Aire,contem amianto, e as telhas de fibrocimento com mais de 20 anos deveriam ser substituidas.
Mas há mais, em coberturas de escolas.
Toda a conduta que vai do Perulhal para o Alqueidão é de fibrocimento.
Rebenta muitas vezes, e a camara já a devia ter substitudo,porque sempre que é reparada,o fibrocimento é cortado com rebarbadoras e o pó fica na conduta.
Este problema do fibrocimento é conhecido desde há cerca de 4/5anos.
A camara em vez de andar a brincar aos muros e murinhos e muretes devia começar a tratar deste problema.
Há largas dezenas de Kms a substituir.
Situação parecida é a da conduta que abastece a zona da casa do nosso presidente.
Mas estes trabalhos são antipáticos e não se vê.

Comentar post

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>feeds