Domingo, 9 de Julho de 2006

Os trabalhos de Salgueiro

     Nove meses depois das eleições autárquicas, terminou o período "uterino" do novo executivo municipal. A ideia que conceberam para o concelho vai ter necessáriamente que  materializar-se na concretização dos projectos e no cumprimento das promessas...  

     E neste virar de página, é agora tempo das preocupações contabilística darem lugar às preocupações de natureza política. No fundo, é tempo de Albino Januário, o homem das contas, ceder o palco a João Salgueiro, o presidente eleito, fazendo discretamente o seu trabalho de controlo do défice municipal.

     É importante para as pessoas que vivem neste concelho que o executivo tenha sucesso no cumprimento da sua agenda para o desenvolvimento sufragado nas urnas. Mas João Salgueiro não vai ter uma tarefa fácil.

  • Desde logo, se, por um lado, tem a maioria no Executivo, por outro perde na Assembleia Municipal para a oposição.
  • Se, por um lado, é sua obrigação procurar captar investimentos reprodutivos para o concelho, por outro não deve atrair investidores a qualquer preço.
  • Se, por um lado, tem infra-estruturas por construir, por outro, uma legião de instituições subsidio-dependentes, que funcionavam numa lógica de clientelismo, reclamam agora precisamente mais subsídios.
  • Se, por um lado, é sua obrigação cumprir excrupulosamente os compromissos que estabeleceu com as populações, por outro não deve ceder à tentação de favorecimentos pessoais neste processo.
  • Se, por um lado, tem relativas facilidades em chegar ao governo central para submeter projectos a financiamento, por outro, uma equipa de técnicos municipais desmotivados não tem capacidade para responder com eficácia e qualidade às solicitações.
  • Se, por um lado, tem treze freguesias para ajudar a desenvolver, por outro, as pressões centralistas apostam na macrocefalia serôdia da sede do concelho.

     O poder é solitário quando é usado para mandar e solidário quando é para servir. Para servir a população, Salgueiro pode contar com os seus conterrâneos que, como ele, sonham com um município melhor.

publicado por Joga às 15:59

link do post | comentar | favorito

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>feeds