Quinta-feira, 22 de Maio de 2008

Obviamente reclamamos

          O secretário de Estado da Defesa do Consumidor, Fernando Serrasqueiro, e a Associação de Defesa do Consumidor, DECO, entendem que será ilegal aplicar uma taxa de disponibilidade de serviço para compensar a perda da taxa de aluguer do contador pelos municípios. Até parece que a a nossa Câmara está do lado da prevaricação e contra os direitos dos seus munícipes.

          Este é o resultado de quem opta sistematicamente pela lei do menor esforço e vai atrás das indicações corporativas da Associação Nacional de Municípios que, neste caso, está a usar os consumidores como reféns da sua crispação com o Governo. Ora, o nosso executivo municipal deve prestar contas e zelar pelos interesses dos seus munícipes e não ser correia de transmissão deste interesse ilegítimo da Associação de que faz parte. Uma atitude que revelaria coragem política seria o nosso presidente da Câmara demarcar-se da posição da Associação Nacional de Municípios e, em nome do superior interesse dos seus munícipes e no respeito pela Lei, declarar que não iria usar nenhum subterfúgio de duvidosa legalidade para compensar a perda de receitas imposta pela “lei dos Contadores”.
          Salgueiro poderia assim capitalizar junto do Governo, com quem é supostamente solidário, e beneficiar o Concelho com investimentos da Administração Central na área de abastecimento de água e saneamento, além, naturalmente, de dar uma boa notícia aos seus conterrâneos que já estão sufocados pela crise geral.
          Mas não, dita a lei do menor esforço que se substitua a taxa e se aumente o preço da água. Tudo de uma assentada como se este bem essencial fosse uma bebida de luxo e a Câmara Municipal uma empresa privada e monopolista que dependesse exclusivamente da relação comercial com os seus clientes. Parece que Salgueiro perdeu a noção da função social do cargo que desempenha por exclusiva vontade dos seus conterrâneos e utentes da rede de abastecimento de água.

          Neste cenário, obviamente que exerceremos o nosso direito cívico de reclamar conta a substituição abusiva do nome da taxa de aluguer de contador. Mas não estamos sós. A DECO, com quem mantemos contacto, está a viabilizar um recurso aos tribunais. O secretário de Estado da Defesa do Consumidor defendeu que os consumidores "têm o direito de fazer valer o seu direito", seja através de uma acçäo popular ou dos centros de arbitragem de conflitos.
          Localmente podemos reclamar junto da Drª Anabela de Campos, do Gabinete de Apoio ao Consumidor que se propõe mediar e tentar resolver extrajudicialmente qualquer conflito de consumo.
 

 

USE AS SUAS PRÓPRIAS PALAVRAS PARA RECLAMAR CONTRA A SUBSTITUIÇÃO ILEGAL DO NOME DA TAXA DE ALUGER DO CONTADOR DA ÁGUA.

 

          Gabinete de Apoio ao Consumidor:
          E-mail: apoioaoconsumidor@vivaocentro.com
          Telefone: 244 882 318


          Ou então dirija-se pessoalmente à Drª Anabela de Campos das 10h30 às 12h30 e das 14 às 16h30 nos seguintes locais:
          - Segunda- Feira nas instalações da Câmara da Batalha
          - Quarta-Feira na sede da ACILIS em Leiria
          - Sexta-Feira nas instalações da Câmara de Porto de Mós.
 

          A comunidade portomosense precisa do seu comprometimento cívico.

 

Ver também: Factura Opaca

publicado por Joga às 00:01

link do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>feeds