Terça-feira, 14 de Novembro de 2006

O governo do município

         

           O executivo camarário está a cometer o erro de não ouvir a sociedade nem tão pouco uma boa parte da sua base de apoio. Parece que vê até com algum desconforto as sugestões que lhe são feitas, queixando-se de tentativa de partidarização pela comissão política do partido Socialista.


          Este é um argumento que importa ter em conta para perceber a natureza do poder que a maioria dos portomosenses colocou no governo do seu município.
          O quadro de pessoal da Câmara permanece estável e não consta que o partido Socialista tenha pressionado o executivo para a admissão de novos funcionários mediante a apresentação do cartão partidário. Esta sim, seria uma inaceitável forma de partidarização da Câmara Municipal.
          Sugerir, aconselhar, partilhar e rectificar informação são actos normais de solidariedade política  e de suporte entre um órgão autárquico e o partido que o apoia. Ou não é normal que o partido seja o primeiro interessado em que os candidatos que ratificou façam um bom mandato ao serviço das populações?
          Depois, parece despropositada a queixa de tentativa de partidarização do governo do município numa câmara em que apenas um dos quatro membros executivos é filiado no partido Socialista!
          A queixa ou lamento revelará então, por contraste, uma aspiração frustrada ab initio: a de governamentalizar a concelhia do PS à boa imagem da prática dos executivos de José Ferreira em relação ao PSD. Todos sabemos o que o concelho ganhou com isso.
          Maioria absoluta, não significa poder absoluto do presidente, vice-presidente ou vereadores constituindo o exercício do contraditório um bom método para a tomada de decisões justas. De resto, este exercício metódico só rebustece o argumentário do executivo no confronto político com a oposição.

          Na medida em que cultivarem o autismo na acção política, os nossos políticos profissionais deixarão emergir projectos pessoais de poder que, inevitavelmente, arrastarão consigo o pior da natureza humana ficando para trás o desenvolvimento estrutural do concelho. Uma vez mais…

publicado por Joga às 00:52

link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Jorge Bastos a 15 de Novembro de 2006 às 19:33
É bom ver que ainda há pessoas que sabem olhar para o nosso concelho relatando os seus problemas com neutralidade e isenção.

Obrigado por teres adicionado o meu blog. Devo dizer que me sinto honrado e bastante satisfeito. Logo que tenha um espaço com blogs amigos adicionarei o teu com todo o gosto, até porque pretendo acompanhar a vida deste :)

Cumprimentos e continuação de um excelente trabalho.

Comentar post

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>feeds