Intervenção cívica. Pela PALAVRA livre e responsável, com Porto de Mós como pano de fundo.

NOTÍCIAS porto de mós

Quinta-feira, 10 de Setembro de 2009

Debate autárquico - 1ª Parte

No confronto autárquico que já começou, Júlio Vieira, candidato do PSD, vence claramente a primeira parte do debate com João Salgueiro, actual presidente da edilidade e candidato pelo PS. Carlos Silva, pelo CDS-PP e Luis Carreira, pela CDU chegaram tarde e revelaram falta de preparação para ocupar a cadeira da presidência da Câmara. O confronto aconteceu no passado fim de semana da rádio Cister de Alcobaça.

 
          A primeira parte deste debate que hoje analisamos ficou marcada por uma polémica inútil com Salgueiro a fazer “batota” tentando arrancar uma “grande penalidade” do adversário. Ainda bem que não se tratou de um encontro de futebol porque, se assim fosse, Salgueiro teria sido expulso do jogo por falta de fair-play e de espírito desportivo.
 
           Logo no inicio do debate Salgueiro vai “às canelas” de Júlio Vieira acusando-o de não saber fazer mais nada que não seja escrever num jornal a dizer mal de tudo e de todos. Vieira não acusou o toque e continuou, determinado, a expor a sua análise dos problemas do concelho e as soluções que propõe. Depois foi a vez de Salgueiro expor as suas propostas e iniciou uma alocução mal articulada e, a espaços, contraditória nos termos.
           À primeira réplica do seu oponente, como num jogo de futebol, Salgueiro “atira-se para o chão” a simular a falta que não existia dizendo que era ele quem estava no uso da palavra e que não admitia interrupções ameaçando ir-se embora. À falta de melhor argumento, refugiou-se em formalismos estéreis para condicionar o debate. Ora um debate radiofónico não é uma  Assembleia Municipal e aqui, mais do que o uso da palavra-pela-palavra, esperava-se que Salgueiro nos desse a sua visão do concelho e que nos dissesse o que se propõe fazer se for eleito, naturalmente confrontando as suas alegações com as dos outros candidatos num processo de salutar, viva e democrática interacção entre os concorrentes ao acto eleitoral. Júlio Vieira nunca excedeu os limites nem nos remoques nem nas alegações. Jogou limpo mas com alguma "virilidade" no campo das palavras e das ideias. Salgueiro, mal acusava o "toque" simulava uma agressão e "atirava-se para o chão". Uma fita. Esteve mal a moderadora que, qual árbitro, deveria ter mostrado um “cartão amarelo” a Salgueiro por  simulação de falta.
           Este comportamento de Salgueiro voltou a registar-se por mais duas vezes e gerou uma polémica estéril que apenas procurou cobrir, qual cortina de fumo, a preparação, as propostas, o brilho e a vivacidade que Júlio Vieira emprestou ao debate. Salgueiro revelou-se tão mal preparado como os candidatos da CDU ou do CDS-PP, apenas demonstrando mais experiência numa certa forma burocrática e antiquada de gerir o concelho, tal e qual como os antigos mestres de obras.
 

 AS ESCARAMUÇAS (5 min) 

 

 RESUMO DA 1ª PARTE  (7 min)

 

 

A sua opinião:

  

Todo o debate aqui:

1ª Parte

FOTOS E SOM cortesia Rádio Cister

2ª Parte

 

Segue João Gabriel no TwitterVeja o meu Facebook

 

 

 

publicado por Joga às 00:01

link do post | comentar | favorito
10 comentários:
De Anónimo a 16 de Setembro de 2009 às 02:16
Tive oportunidade de ouvir um bocado da primeira parte do debate e não consigo formar opinião sobre quem ganhou o debate. Há, no entanto, duas ou três coisas que me intrigam. Repare-se que o candidato do PSD diz que o que não necessárias são ideias e eu pergunto alguém consegue por em prática muitas ideias sem dinheiro?
Por outro lado ninguém assume compromissos com questões concretas. Parque eólico do alqueidão e outros novos uma linha de rumo ém relação à remuneração dos mesmos. Saneamento concretizar. É no próximo mandato que se conclui o saneamento de Mira de Aire e se avança para a zona da Serra? Relação com as Juntas continuará a haver filhas e enteadas? Porque é que algumas têm pessoal da Câmara afecto Às ordem da Junta e outras não. Como é que vão ser debeladas imensas necessidades básicas existentes? Como é que vai ser a actuação nos casos das inumeras habitações devolutas e que se abandonam diariamente (centros das localidades) e em simultÂneo se avança construção para tudo quanto é sítio não classificado como REN. Questões da água e da possível entrega da rede à SIMLIS: Será que este tema não merece figurar na campanha? é só uma pequena achega para o que considero deveria ser a campanha. Mas o que parece é que se quem está no governo autárquico tem um trabalho que muitos parecem desgostar quem está a tentar chegar a esse governo apenas se interessa em acusar, normalmente, com situações pessoas e deixa as questões fundamentais na gaveta!
De Gualdino a 12 de Setembro de 2009 às 09:51
Tenho de concordar com a análise feita.
Depois de ter ouvido os 2 excertos do debate também achei que o candidato João Salgueiro se refugiou demasiado na personagem-vítima, demonstrando assim a falta de uma atitude guerreira e destemida perante os argumentos apresentados pela candidato do PSD, Júlio Vieira que, quando alvo de ataques, não se pronunciou nem se fez sentir como João Salgueiro o fez, mantendo uma postura mais profissional e correcta, na minha opinião, procurando sempre fazer um debate sem grandes alaridos e espectáculos.
Reparei também numa certa imparcialidade da parte da moderadora, que por várias vezes defendeu o candidato João Salgueiro em deteriorimento do Júlio Vieira. Má profissional.
Enfim, esperava mais, aliás, uma melhor atitude, da parte de João Salgueiro e as minhas expectativas em relação a Júlio Vieira confirmaram-se: é um candidato sério, calmo e com consciência do cargo a que se candidata.
De Febo a 12 de Setembro de 2009 às 08:18
Continuando a analogia futebolistica,Salgueiro é um brinca na areia.
Faz uns dribles,não deixa cair a bola, põe o pessoal a rir.
Como não treina (no sentido de esforço) atira-se para o chão e está sempre a reclamar falta.
Engana o árbitro( No debate a atitude do árbitro, no minimo, muito suspeita).Com ele a equipa está no terreno, mas não joga, o tempo passa e ele lá se mantem em jogo.
É como o presidente da Câmara Salgueiro.Ri daqui, engana ali, não sabe, a culpa foi do outro, eu nem fazia parte da equipa, não tive tempo de estudar o dossier, esqueci-me do processo, vou falar com o meu grande amigo que ele dá um jeito, ou seja, vai empatando, o tempo a decorrer e a equipa sem orientação.
Como o concelho, não se vê para onde vai, fazem-se nvestimentos sem qualquer razão de ser,perdem-se oportunidades e fundos europeus( veja-se o parque escolar-P.Mós foi o ÚNICO do distrito que não consegui um centimo para as escolas), e por diante.
O Júlio não dotado de grande técnica, mas corajoso, não passa rasteiras e quando dá é de frente(aqui a moderadora não hesitou em mostrar o amarelo),mas corre os 90 minutos de forma empenhada, porque quer ganhar o jogo,quer fazer mexer o concelho.
O Salgueiro é como uma equipa de vedetas,muito dotados mas o que interessa "é o meu"
O Júlio é como o Boavista do Jaime Pacheco, sem vedetas mas foi campeão.
Chega de 4 anos de cigarra. Temos de voltar á formiga.
De Rui Gabriel a 11 de Setembro de 2009 às 14:10
Adorei as "escaramuças". Um diz que o outro não faz nada, só escreve num jornal a dizer mal. O outro responde que o primeiro não faz nada, que só anda na caça e pesca.
O interessante é que o primeiro fica muito indignado por ouvir de volta o mesmo tipo de argumento que ele mesmo usou e, mais interessante ainda é o segundo pedir desculpas.
AHAHA, adoro a política!! Divertidíssimo. Quando é o próximo debate?
De Miguel a 16 de Setembro de 2009 às 14:25
Agradeça ao seu irmão que contribuiu decididamente para que hoje porto de mós seja confrontado em eleger um destes dois personagens.
Mas olhe que não dá vontade de rir para quem cá vive diariamente,dá é vontade de chorar.
Mas é mais interssante intervir de Lisboa por forma a divertirem-se com a vida dos outros.
Fica registado a genética circense com a qual vêm a vida politica em Porto de Mós.
De Rui Gabriel a 16 de Setembro de 2009 às 19:54
Olá Miguel,
Agradeço o comentário ao meu comentário. Não me condene por favor por achar piada nem me aplauda se eu chorar. Eu sou assim, gosto de me divertir com coisas ridículas, é um defeito que ainda não consegui ultrapassar. Só espero pelo próximo debate, porque se for do calibre deste, que se cuidem os Gatos Fedorentos e aquela coisa amadora que eles andam a fazer com os candidatos.
De Rui Gabriel a 16 de Setembro de 2009 às 20:02
Olá de novo Miguel, com a pressa de pedir compreensão pelo meu mau hábito de rir do ridículo, esqueci-me de perguntar se você está a responder de Lisboa e porque é que é importante isso ser mencionado no seu comentário. Eu vivo no Alqueidão da Serra, há muitos anos e não sei a relevância que poderá ter o local de residência de um filho do concelho relativamente à sua capacidade de achar interessante ou divertido seja o que fôr. Se você está a responder a partir de Lisboa, óptimo. Se é da China, porreiro, não vejo como isso poderá valorizar ou desvalorizar as suas opiniões.
Tenha um dia fantástico.
De Miguel a 18 de Setembro de 2009 às 14:01
Neste momento falo de um local do concelho onde para se ter net que navegue a velocidade decente é uma carga dos trabalhos.O local não conta desde que se sofra na pele o contributo que damos para as soluções que apadrinhamos.Mostra bem quem somos quando em terra de cegos se investe numa campanha de maldicência como foi a de 2005 e depois se diz passados 4 anos que afinal a solução é horrorosa, desculpem,mas agora devem votar neste porque desta vez acertei.É mau para quem assume esta postura de maria vai com as outras e prejudica quem quer derrotar um vendedor da banha da cobra que foi patrocinado de forma decisiva por um senhor que tem a mania que é impoluto e acima de qualquer supeita no que diz repsito à ética politica.Ainda bem que o Gabriel parece só ter apelido igual.
Que tenha um outono cheio de castanhas.
De Rui Gabriel a 18 de Setembro de 2009 às 18:18
Afinal o Miguel parece muito azedo comigo só porque eu afirmei me divertir com a palhaçada política dos nossos candidatos. Quanto a quem apoio ou deixo de apoiar é público: apoio o meu irmão e a quem ele apoiar, porque não conheço ninguém com mais coluna vertebral que ele (pode ser que quando o conhecer a si mude de opinião).

Quando todos os cidadãos tiverem as atitudes de cidadania que ele tem podem mudar de ideias as vezes que entenderem que isso só lhes fica bem. Os idiotas é que se mantêm agarrados às suas ideias, certas ou erradas.

Dito isto, agradeço de novo o comentário, mas peço que me inclua de novo no grupo selecto dos "Gabrieis" do qual tão precipitadamente me retirou.

Devo agradecer-lhe a prosa de resposta-resposta aqui no blog porque é muito interessante e, não sei se me atreva..... d.i.v.e.r.t.i.d.a.

Abraços sinceros e, com todo o respeito, um bom fim se semana.
De Anónimo a 10 de Setembro de 2009 às 13:16
O Júlio está mais gordo. Se não fizer exercício físico vai chegar ao fim da campanha com problemas de coração... lol

Comentar post

>alerta gripe A

Clique aqui

Veja AQUI as recomendações do Departamento de Saúde Pública do Ministério da Saúde.

 

 

>pensamento do mês

 

>bloco de notas

 
   
>twitter

Segue-me em http://twitter.com
 
 

>vox pop

>iniciativas

 

PrémioPM

saber mais

ver candidatos

 

>videos


 

Impulso Tecnológico

Vídeo-documento

Quebar barreiras

Concelho turístico

Prevenir, prevenir, prevenir

Espírito de Natal

Há Movimento na Serra

PDM com Rosto Humano

>pensamento lógico

 

JUNHO

MAIO 09

ABRIL 09

MARÇO 09

FEVEREIRO 09

JANEIRO 09

DEZEMBRO 08

NOVEMBRO 08

OUTUBRO 08

SETEMBRO 08

AGOSTO 08

 JULHO 08 

 JUNHO 08

MAIO 08

ABRIL 08

MARÇO 08

FEVEREIRO 08

JANEIRO 08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>this in English

>feeds