Intervenção cívica. Pela PALAVRA livre e responsável, com Porto de Mós como pano de fundo.

NOTÍCIAS porto de mós

Quinta-feira, 2 de Julho de 2009

Um Concelho de Freguesias

“Gosto muito da minha terra, amo o chão que piso, a terra que me viu nascer.” Subscrevo com todas as letras esta expressão de amor pela minha terra. Ela, contudo, não é a "minha terra", mas a do candidato Júlio Vieira e encerra em si um equívoco que, desde já, convém clarificar.

 
Júlio Vieira na apresentação da sua candidatura         Trata-se do sentimento de posse pela “terra que me viu nascer”. No nosso micro cosmos, a terra que viu nascer Júlio Vieira não é a mesma que me viu nascer a mim e, se a expressão do sentimento é comum, o objecto do nosso amor é bem diverso: Júlio Vieira ama S. João, a freguesia que o viu nascer, enquanto eu sofro pelo Alqueidão da Serra, o meu primeiro berço. Não é, contudo, por isso, que não deixamos de estar, eventualmente, em sintonia porque, creio, o amor pelas nossas terras é genuíno. Este mesmo sentimento se poderá aplicar, com propriedade, a todos os homens bons das restantes onze freguesias do nosso concelho. É o salutar bairrismo que faz as terras evoluírem e crescerem de acordo com o querer, o amor e a vontade dos seus habitantes.
          Mas existe um sentimento secular nas elites políticas da Vila e uma marca genética na administração municipal, que subestima as particularidades naturais de cada freguesia e nelas coloca um freio opressor em nome de uma imaginário “bem comum” meramente conjuntural ditado, muitas vezes, pelo egoísmo e prepotência dos detentores ocasionais do poder municipal. Supervalorizam a cabeça do concelho e alimentam o monstro administrativo, muitas vezes, quem sabe, em eventual benefício próprio. A macrocefalia que, com frequência, é criticada pelos municípios em relação ao poder central é, aqui, elevada à sua quinta essência nas relações da Câmara com as Freguesias do concelho.
 
          Para Júlio Vieira ser uma “nova esperança em Porto de Mós”, como disse no acto de apresentação da sua candidatura o Presidente da Distrital de Leiria do PSD, Fernando Marques, não lhe basta ser de uma nova geração de políticos mas terá o desafio de corporizar o “homem novo” da política local na relação institucional com as freguesias do concelho.
          Estaremos atentos a este detalhe nos seus compromissos eleitorais. Cada portomosense, do Arrimal à Calvaria, de Mira de Aire às Pedreiras deve sentir orgulho da sua terra, lutar pelo desenvolvimento do pequeno lugar, ou da grande freguesia, que o viu nascer e dizer bem alto que adora o seu concelho, sem sentimentos de fatídica submissão ao poder municipal. Pôr em causa o lobbie conservador e serôdio que tem gerido os nossos destinos comuns a partir dos Paços do Município é, no meu ponto de vista, um dos maiores desafios de Júlio Vieira. Será ele um reformista ou um conformista?
Segue João Gabriel no Twitter
 

 

publicado por Joga às 00:01

link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Anónimo a 6 de Julho de 2009 às 02:36
" A terra que me viu crecer" Gosto da frase----

Há pois não fui eu que lhe dei mote aqui num vizinho forte.


9 de Junho de 2009 às 14:35
Já agora qual é o seu clube? Com uma declaração de interesses prévia , o diálogo é mais fácil....? Volte sempre!





De ricardo a 9 de Junho de 2009 às 19:07
O meu clube é o benfica..... Mas o meu interesse por Portugal ou pela terrinha que me viu crescer suplanta o meu clube.... É essa a minha declaração de interesse.................

Comentar post

>alerta gripe A

Clique aqui

Veja AQUI as recomendações do Departamento de Saúde Pública do Ministério da Saúde.

 

 

>pensamento do mês

 

>bloco de notas

 
   
>twitter

Segue-me em http://twitter.com
 
 

>vox pop

>iniciativas

 

PrémioPM

saber mais

ver candidatos

 

>videos


 

Impulso Tecnológico

Vídeo-documento

Quebar barreiras

Concelho turístico

Prevenir, prevenir, prevenir

Espírito de Natal

Há Movimento na Serra

PDM com Rosto Humano

>pensamento lógico

 

JUNHO

MAIO 09

ABRIL 09

MARÇO 09

FEVEREIRO 09

JANEIRO 09

DEZEMBRO 08

NOVEMBRO 08

OUTUBRO 08

SETEMBRO 08

AGOSTO 08

 JULHO 08 

 JUNHO 08

MAIO 08

ABRIL 08

MARÇO 08

FEVEREIRO 08

JANEIRO 08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>this in English

>feeds