Intervenção cívica. Pela PALAVRA livre e responsável, com Porto de Mós como pano de fundo.

NOTÍCIAS porto de mós

Quinta-feira, 2 de Abril de 2009

O catavento

          Afinal o que é um "catavento" na política local? Fomos ao dicionário e com a ajuda da história, descobrimos dois episódios da década de 1890 que podem desfazer algumas dúvidas. Apesar dos cataventos estarem a desaparecer das torres das igrejas, há mais de cem anos que na nossa terra se faz política da mesma maneira. E ainda há quem diga que a tradição já não é o que era…

 

          CATAVENTO: Bandeirinha, geralmente de ferro ou de folha que, enfiada numa haste, indica a direcção dos ventos.

 

          Quando os oficiais de pedreiro deram a nova torre da igreja do Alqueidão por acabada, quiseram à viva força, que o Padre-Cura espetasse o “galo” lá bem no coruto. Acedeu, de boa vontade o Padre Afonso, ao desejo dos artistas e satisfê-lo imediatamente, trepando pelo andaime com o ”galo” na mão.
          Aquele gesto era o culminar de uma desavença com uma tal Joana, mulher indecente, que pretendia fazer casa de “pouco mais ou menos” em frente da igreja. A obra logo foi embargada, mas a mulher, informada de que se, numa noite, levantasse paredes em que a cantaria ficasse de pé, levava a sua avante, vai, deita mãos à obra e realiza a orientação que lhe deu algum advogado ou vereador municipal mascarado de mafarrico. Como vêem, era boa “bisca”! E, ainda por cima, jogava com ás e rei!
          Depois da obra feita, Joana fez surriada, tocou berimbau e gaita, e riu-se. Riu-se mas não foi a última. O Padre Afonso principiou a desmanchar a igreja, e logo pela porta principal, que fez mudar para o lado oposto! A mulher caiu das nuvens e toda ela se desbaptizava a malucar no que ia dar aquilo. Era de boas arnelas o Padre Afonso! Virou o templo, comprou-lhe boas alfaias religiosas e devotas imagens, dotando-o com uma torre povoada de sinos.


          Na altura em que o Padre Afonso punha o catavento no seu devido lugar, a mencionada Joana, incapaz de segurar a raiva, atirou-lhe com a rancorosa praga:

           – “Ah! Não cair ele dali abaixo!”
          Ouviu-a o Padre Afonso e não se assustou, pois não era pessoa atreita a medos. Homem de resposta na ponta da língua, “agradeceu” os votos dizendo:
         – “Vozes de burro não chegam ao céu”.
          De burra, ficava mais certo, mas o Padre Afonso deu de mão à gramática para respeitar o ditado.
(1)

          E o “galo” de latão lá ficou a indicar a direcção do vento no topo mais alto da torre. Muitos alqueidanenses se orientaram por aquele catavento, apesar dos impropérios de Joana, mulher da vida.

 

          CATAVENTO: Pessoa volúvel (inconstante, instável)

 

          A construção da estrada que liga Porto de Mós e o Alqueidão foi pau que serviu para a colher dos políticos vezes e anos sem conta. Em certas eleições, os Progressistas haviam conquistado, coisa rara da sua banda, um influente cacique Regenerador, natural da Vila, o qual se desunhava a enviar a sua influência no eleitorado alqueidanense.

         Querendo impor-se aos novos correligionários no próprio dia do acto eleitoral, deslocou-se ao Alqueidão em viagem de caçador de votos ainda a manhã andava por terra dos quintos. Sem vez que fizesse excepção, emparceirava com ele, nas urnas, Domingos José Correia, da Carreirancha. Foi, por isso,  a primeira porta a que bateu. Identificou-se mas sentiu grande amargo de boca ao verificar que o dono da casa o atendia sem sair da cama. Fazendo das tripas coração, diligenciou atraí-lo à fala, cara-a-cara. Nada! Domingos José Correia mantinha-se no quentinho do vale de lençóis. Face à inutilidade dos esforços, decidido a engodar a presa, o cacique atira-lhe o isco:
          – “Ó Sr. Domingos, desta vez é que vai…”
          – “Ah! Vai?!... Então deixá-lo ir…”
          – “Não é isso, Sr. Domingos… Desta vez é que a estrada vai até ao fim… É que eu já me “virei”… percebe?...”
          – “Então como o senhor se virou lá fora, eu viro-me cá dentro… Oiça, oiça: upaaa…”,
e acompanhando a significativa interjeição com o gesto, voltou-se para o outro lado, continuando o sono, depois da irónica resposta.
          O cacique, à vista de tão inesperado sufrágio, logo na abertura da sua intervenção emendou o sentido da caminhada e, ao som da farfalhada que faziam as esfiadas camisas do colchão de Domingos José Correia, dirigiu-se ao ponto de origem, passando à porta de outros correligionários antigos, sem dizer “água vai” ou à maneira de “cão por vinha vindimada
”… (1)
          Mais de um século depois desta história, o político “catavento” não desapareceu e no Alqueidão, como no concelho, todos conhecem o seu nome. Felizmente que já não há colchões de esfiadas camisas, mas a ironia do sr. Domingos mantém-se embora com gente menos "dorminhoca"...


(1) Episódio contado na monografia "Legado Alqueidanense", de Alfredo de Matos.

publicado por Joga às 00:01

link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De a.menano a 3 de Abril de 2009 às 16:55
sabe, é uma grande virtude sabermos rir de nós próprios e fazer auto-critica, está pois de parabéns por conseguir através desta história retratar-se a si próprio.O meu sentido reconhecimento por tal facto.
De Joga a 4 de Abril de 2009 às 00:35
Olá
Se reparou, há aqui dois conceitos distintos de "catavento": Na primeira história, fala-se do objecto, ele-próprio, com o qual, realmente, tenho alguma afinidade (e desculpe a pretensão). Na segunda história trata-se do sentido figurado do substantivo, e todos sabemos a quem assenta bem este fato... Nesta segunda história revejo-me mais no Sr. Domingos, mas acordado!
Seria interessante que o meu caro a. menano se posicionasse face a estes personagens e nos dissesse com quem se identifica mais. Deixo-lhe esse desafia.
Cumprimentos.
De Valter a 4 de Abril de 2009 às 13:26
Esta é boa!
Fui ver as histórias e só faltam 2 personagens: o padre e a pu**. Menano será padre?... eh!eh!he! não me parece LOL
De Rua direita a 4 de Abril de 2009 às 14:27
ò Joga, o menano chegou bem para ti,rsrsrsrsrsrs
A tua resposta mostra bem o teu incomodo com a verdade.
A justificação do Júlio perante a evidência, só mesmo o Almeida para acreditar......
De a.menano a 4 de Abril de 2009 às 16:44
A resposta é izi, com nenhuma.O caro Engenheiro Electrotécnico é que muda de estrela para triângulo...
De Febo a 2 de Abril de 2009 às 00:34
Este Catavento não será por acaso um senhor que perante a hipótese da Dra Clarisse Louro vir a ser candidata do PSD, anda pelos corredores da Câmara a dizer que vai defrontar uma antiga namorada?
Por isto se vê a sua qualidade de homem público-
Toda a gente ficará a saber do seu feito galanteador.
Merece bem a resposta do Padre Afonso.

Comentar post

>alerta gripe A

Clique aqui

Veja AQUI as recomendações do Departamento de Saúde Pública do Ministério da Saúde.

 

 

>pensamento do mês

 

>bloco de notas

 
   
>twitter

Segue-me em http://twitter.com
 
 

>vox pop

>iniciativas

 

PrémioPM

saber mais

ver candidatos

 

>videos


 

Impulso Tecnológico

Vídeo-documento

Quebar barreiras

Concelho turístico

Prevenir, prevenir, prevenir

Espírito de Natal

Há Movimento na Serra

PDM com Rosto Humano

>pensamento lógico

 

JUNHO

MAIO 09

ABRIL 09

MARÇO 09

FEVEREIRO 09

JANEIRO 09

DEZEMBRO 08

NOVEMBRO 08

OUTUBRO 08

SETEMBRO 08

AGOSTO 08

 JULHO 08 

 JUNHO 08

MAIO 08

ABRIL 08

MARÇO 08

FEVEREIRO 08

JANEIRO 08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>this in English

>feeds