Intervenção cívica. Pela PALAVRA livre e responsável, com Porto de Mós como pano de fundo.

NOTÍCIAS porto de mós

Quinta-feira, 23 de Outubro de 2008

Livro de Reclamações

          Reagindo ao parecer do IRAR enviado ao utente Salgueiro (nome fictício), a Associação de Defesa do Consumidor exorta os munícipes a quem tem faltado a água para que se dirijam aos serviços da Câmara, solicitem o Livro de Reclamações e nele inscrevam o seu protesto exigindo a prestação de um serviço com qualidade e a indemnização/compensação pelos danos que têm sido causados pela falta de disponibilidade de água no seu domicílio.

          “Ainda que se considere devida a taxa de disponibilidade de água – diz a DECO - e, por motivos óbvios, não tenha sido incluída no Regulamento a atribuição automática de indemnização devida pela não disponibilidade temporária de água, o que, de facto, não possibilita a intervenção do IRAR, os munícipes lesados, como tem sido o caso da freguesia de Porto de Mós, terão direito a ser devidamente indemnizados.”

          A Associação dos Consumidores não estranha o facto de não ter ainda recebido qualquer resposta da nossa Câmara e avança com uma explicação:
“Dado que a posição dos municípios foi concertada ao nível da sua associação, será de concluir que a nossa intervenção directamente junto de cada município, não terá qualquer efeito na alteração da posição assumida.” E acrescenta que será de esperar uma posição comum “da Câmara Municipal de Porto de Mós, restantes câmaras municipais e sua associação do tipo:
          - A taxa de disponibilidade de água não terá vindo substituir a taxa do aluguer dos contadores nem corresponde a uma taxa de efeito equivalente;
          - É uma taxa cuja receita se destina à conservação e manutenção dos sistemas públicos de água;
          - A taxa de disponibilidade de água não constitui a cobrança de um consumo mínimo;
          - E, assim sendo, será legal.”

          “Na realidade - acrescenta a DECO - a Lei nº 23/96, de 26 de Julho, na redacção equívoca e ambígua que lhe foi dada pela Lei nº 12/2008, de 26 de Fevereiro, lamentavelmente, permite a interpretação acima referida e a introdução de taxas diversas, independentemente da designação utilizada!...
          Certo é que, após a contestação pelos consumidores (e o nosso apoio expresso) da taxa de disponibilidade de água e similares o próprio legislador (Lei nº 12/2008, de 26 de Fevereiro) veio a público esclarecer que a taxa de disponibilidade violava o disposto na lei!... 
          Porém, ao nível legislativo e regulamentar, nada mais foi feito!...
          E, certo é que, a informação dada a muitos munícipes é a de que a taxa de disponibilidade de água foi introduzida para substituir a taxa do aluguer dos contadores.”

           A Associação de Consumidores faz saber que, no seu entendimento, “a introdução apressada e generalizada da taxa de disponibilidade de água veio substituir a taxa do aluguer dos contadores, independentemente do seu calibre, correspondendo a uma taxa de efeito equivalente”, assim como “a introdução apressada e generalizada da taxa de disponibilidade de água configura e constitui a cobrança de um consumo mínimo, penalizador para os utentes de mais baixos consumos.”
          Para a DECO, “generalizadamente, os munícipes já são obrigados aos mais diversos pagamentos, os quais permitirão o arrecadar de receitas para a conservação e manutenção dos sistemas públicos de água” e que “compete ao governo a aprovação de um regime tarifário para os serviços de água, energia eléctrica e gás.”

           A Associação que está a tomar a defesa dos consumidores de Porto de Mós aconselha, “uma vez que o IRAR, como autoridade competente para apreciar a não conformidade do regulamento, considera não existir ou não ter competências para o efeito, pelo exposto, se assim o entender, poderá denunciar a situação que se vive numa freguesia do município de Porto de Mós, porém, comum a muitos outros municípios, e que, exige medidas do governo, a:

Direcção-Geral do consumidor
Pça Duque de Saldanha, 31
1069-013 Lisboa.
Telef. : 213 564 600;  Fax: 213 564 714;
  WWW.IC.PT; IC@IC.PT;

          A finalizar a resposta que enviou a propósito da reclamação do cidadão Salgueiro, utente dos serviços de água, a DECO solicita que “caso venham a ser efectuadas as reclamações, agradecemos que nos dê conhecimento das mesmas, de modo a termos legitimidade para interpelar de novo o Presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós sobre o assunto.
          Naturalmente, haverá todo o interesse em dar conhecimento das mesmas à DGC e SECSDC.
          Congratulando-nos com a confiança depositada na nossa actividade e serviços, o que é um estímulo ao trabalho que com muita dedicação desenvolvemos, conte com a nossa melhor disponibilidade sempre que o considere útil.”

publicado por Joga às 00:01

link do post | comentar | favorito

>alerta gripe A

Clique aqui

Veja AQUI as recomendações do Departamento de Saúde Pública do Ministério da Saúde.

 

 

>pensamento do mês

 

>bloco de notas

 
   
>twitter

Segue-me em http://twitter.com
 
 

>vox pop

>iniciativas

 

PrémioPM

saber mais

ver candidatos

 

>videos


 

Impulso Tecnológico

Vídeo-documento

Quebar barreiras

Concelho turístico

Prevenir, prevenir, prevenir

Espírito de Natal

Há Movimento na Serra

PDM com Rosto Humano

>pensamento lógico

 

JUNHO

MAIO 09

ABRIL 09

MARÇO 09

FEVEREIRO 09

JANEIRO 09

DEZEMBRO 08

NOVEMBRO 08

OUTUBRO 08

SETEMBRO 08

AGOSTO 08

 JULHO 08 

 JUNHO 08

MAIO 08

ABRIL 08

MARÇO 08

FEVEREIRO 08

JANEIRO 08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>this in English

>feeds