Intervenção cívica. Pela PALAVRA livre e responsável, com Porto de Mós como pano de fundo.

NOTÍCIAS porto de mós

Quinta-feira, 18 de Setembro de 2008

Uma boa notícia

          A taxa de IMI para o próximo ano vai manter-se nos valores mínimos. O executivo municipal deixa, assim, cair a intenção de aumentar aquela taxa como pretendeu fazer, sem sucesso, o ano passado.

          Mas as causas para esta decisão são todas externas à vontade do executivo municipal, embora as justificações oficiais tragam a cosmética do costume quando se trata de esconder a falta de rumo na política fiscal do município. Em traços largos, foram três os factores que trouxeram este desfecho:
          - A oposição da Assembleia Municipal, no ano passado, ao aumento da taxa de IMI facto que, recorde-se, gerou um imbróglio jurídico assinalável.
          - A primeira petição on-line de cidadãos deste concelho apelando para o cumprimento da Lei.
          - A má reputação na administração fiscal do Estado que tal situação trouxe para o executivo municipal.
          Compreende-se assim que a estratégia para este ano se norteie por duas palavras: lavar a face.
          Esta é também mais uma prova da política titubiante, sem rumo, na definição de impostos e taxas municipais. Já vai estando na hora de se olhar para esta rubrica do Orçamento Municipal com um olhar consistente. Sendo certo que uma fonte de receita importante para o município são as taxas e os impostos locais, não é menos verdade que eles comportam em si componentes sociais e económicas que não devem ser desprezadas em detrimento da cega angariação de fundos para os cofres municipais. Se o algoritmo parece simples, estabelecer e assumir publicamente uma Visão fiscal ao serviço da causa pública, dos cidadãos e do desenvolvimento económico é uma metodologia que ainda não vimos adoptada por ninguém. Menos vistosa, é certo, que as obras de regime que enchem de vaidade o presidente da edilidade, mas mais importantes para a integridade do tecido social e económico da nossa comunidade e notoriamente mais útil para a generalidade dos cidadãos.

Oportuno ver:
A Política pode esperar    
 

publicado por Joga às 00:01

link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Ana Narciso a 27 de Setembro de 2008 às 20:07
De facto há decisões políticas surpreendentes.
As famílias estão endividadas o consumo caiu , as empresas fecham , o desemprego aumenta, mas em Porto de Mós o tecido empresarial está forte, apresenta lucros e pode ser objecto de derrama. Alguém entende este paradoxo?
De Antonio Pires a 27 de Setembro de 2008 às 12:06
Afinal, parecia que estava a adivinhar.A descida do IMI, embora não passe de uma manobra eleitoralista, o argumento do Senhor Vice-Presidente foi o facto de o Governo estar a preparar um projecto de Dec-Lei para diminuir a taxa do IMI,dos prédios não avaliados, de 0,8 para 0,7.No entanto,na proposta apresentada pelo Senhor Presidente da Cãmara,a arguarmentação vai no sentido de que deve ser aumentado o IMI mas depois deparamo-nos com esta descida.Não estando o D.L.aprovado nesta altura,penso que só em 2010 poderá ser aplicado.Portanto a justificação dada pelo Sr.Vice-Presidente, na comunicação social,não condiz com o argumento na A.M.Estamos a falar da taxa para os que pagam menos,dos prédios ainda não avaliados,porque a vontade da bancada do PS e do Sr.Vice-Presidente é que ela deve aumentar.Então onde está a coerencia dos Srs Vereadores do PS que,segundo consta na proposta do Sr.Presidente,forama favoráveis à descida da taxa de 0,8 para 0,7 e agora defendem na A.M. que a taxa dos prédios avaliados (que são quem mais paga)deve aumentar.Esta boa noticia,para estes Senhores,é sol de pouca dura,pois,a manterem-se lá depois das eleições,já sabemos o que nos espera.
De Antonio Pires a 20 de Setembro de 2008 às 00:37
Como se trata de uma descida de impostos, podemos considerá-la uma boa noticia. Vamos esperar para ver. Como acho que a politica é uma actividade nobre, quando exercida com coerência , não vou tecer mais comentários enquanto não ouvir os argumentos do Executivo Camarário na próxima A. Municipal. Aqui não consigo ver coerência , quando os mesmos que, no ano passado, defendia o aumento agora veêm apresentar uma descida. Vamos esperar pelos argumentos.
De Joga a 20 de Setembro de 2008 às 01:42
Esperar por quê? E para quê? As justificações que consideramos "cosmética do costume" são claras e estão impressas em letra de forma no jornal "A Região de Leiria" (12/Set/08) que passo a citar:
- "Albino Januário, vice-presidente da autarquia, responsável pelo pelouro das Finanças municipais, explica que a manutenção da taxa mínima (de IMI) se justifica por "algum fraco crescimento da economia no concelho e no país", para além das taxas reduzidas poderem constituir um aliciante - embora não muito significativo, admite - para a fixação de população no concelho (...)".
E no ano passado, o que é que justificava o aumento? O concelho mudou assim tanto (para pior) de um ano para o outro que justifique, por si só, esta alteração de posição?... Estamos, porventura a sofrer de desertificação, como muitos concelhos do interior, para usarmos a taxa de IMI como factor (ainda que pouco significativo) de fixação da população?... Valha-nos Deus, contra esta argumentação bacoca!
De Pedro Oliveira a 18 de Setembro de 2008 às 16:05
Como disseram alguns comentadores do vilaforte há dias, está de Parabéns o Luís Malhó, o PSD e eu acrescento o pensar PM, pois a petição foi um êxito.Mais uma prova que a participação civica na blogosfera tem razão de ser.

Um abraço cheio de saúde por esta semana dificil para ti.

Comentar post

>alerta gripe A

Clique aqui

Veja AQUI as recomendações do Departamento de Saúde Pública do Ministério da Saúde.

 

 

>pensamento do mês

 

>bloco de notas

 
   
>twitter

Segue-me em http://twitter.com
 
 

>vox pop

>iniciativas

 

PrémioPM

saber mais

ver candidatos

 

>videos


 

Impulso Tecnológico

Vídeo-documento

Quebar barreiras

Concelho turístico

Prevenir, prevenir, prevenir

Espírito de Natal

Há Movimento na Serra

PDM com Rosto Humano

>pensamento lógico

 

JUNHO

MAIO 09

ABRIL 09

MARÇO 09

FEVEREIRO 09

JANEIRO 09

DEZEMBRO 08

NOVEMBRO 08

OUTUBRO 08

SETEMBRO 08

AGOSTO 08

 JULHO 08 

 JUNHO 08

MAIO 08

ABRIL 08

MARÇO 08

FEVEREIRO 08

JANEIRO 08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>this in English

>feeds