Intervenção cívica. Pela PALAVRA livre e responsável, com Porto de Mós como pano de fundo.

NOTÍCIAS porto de mós

Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

Política a cores

          A tarefa cívica do exercício da opinião em defesa dos direitos dos munícipes ou de simples consumidores que são todos os portomosenses, dará cor à política local. Mas a nova “tarifa de disponibilidade da água” aplicada pela Câmara, e a pretensão da Entidade Reguladora do Sector Energético de transferir os custos das facturas incobráveis para todos os clientes, fazem da política uma actividade a preto e branco.

          PRETO. Na iminência da entrada em vigor da nova tarifa “inventada” pela Câmara para substituir o aluguer do contador da água a que deu o nome de “tarifa de disponibilidade” pedimos, em 1 de Junho último à Drª Anabela de Campos, do Gabinete de Apoio ao Consumidor sediado no edifício da Câmara Municipal, um parecer nos seguintes termos:
“Cara Drª Anabela de Campos
Ainda a propósito do cumprimento da "Lei dos Contadores" desejaria solicitar a sua opinião quanto à seguinte questão:
- Como deverei proceder quando receber a próxima factura da água e verificar que nela consta o valor da taxa de aluguer do contador ainda que com outro nome? Informo que a minha factura é cobrada por débito directo. Aguardo a sua competente opinião para poder agir em conformidade com aquilo que julgo serem os meus direitos e os dos consumidores em geral.
Desde já peço permissão para divulgar o seu parecer sobre este assunto. Obrigado.
Melhores cumprimentos"

          Não obtivemos resposta até hoje, por isso divulgamos o teor do nosso pedido. Acontece que, entretanto, a água falta constantemente nas torneiras de muitos portomosenses aos quais, nem por isso, a Câmara deixa de cobrar a “taxa de disponibilidade” por um serviço que, por longos períodos, não está disponível.
          Desejaria perguntar, por este meio, ao Gabinete de Apoio ao Consumidor o que aconselharia os cidadãos consumidores a fazer nesta situação concreta, convidando a Dra Anabela, se assim o entender, a publicar neste espaço ou na comunicação social local o seu douto parecer sobre este assunto.

          BRANCO. A Entidade Reguladora do Sector Energético (ERSE) anunciou na passada quinta-feira ter deixado cair as propostas de incluir na tarifa final paga pelos consumidores os créditos incobráveis. O presidente da ERSE, Vítor Santos, contou à Lusa que na origem da decisão esteve a forma como a notícia foi recebida pela opinião pública. Para Jorge Morgado, da Associação de Defesa dos Consumidores, “é claro que a reacção individual dos consumidores fez com que este assunto tivesse grande visibilidade”.
É a cidadania a funcionar com o recurso aos meios electrónicos de comunicação. Registamos o facto com satisfação. Como dissemos no nosso post sobre o assunto… A sua opinião conta!

publicado por Joga às 00:01

link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De Ana Narciso a 4 de Agosto de 2008 às 23:30
Tenho a certeza de que a Drª Anabela de Campos vai ser capaz de cumprir o que prometeu. 4 anos com um "coxo" não faz escola.
De http://barbichasecompanhia.blogspot.com/ a 1 de Agosto de 2008 às 16:12
Por vezes é necessário chamar os bois pelos nomes e coloca-los ao alcance do povo para que se faça alguma coisa.
Afinal ainda existe quem leia blogs.
Os meus parabéns João.
MS
De Joga a 1 de Agosto de 2008 às 15:03
Acabamos de receber um telefonema da Drª Anabela de Campos a dar-nos conta de que o Gabinete Municipal de Apoio ao Consumidor se prepara para divulgar oportunamente um Parecer sobre as questões suscitadas, em virtude de terem chegado aquele Gabinete várias reclamações de portomosenses acerca do serviço de abastecimento de água da Câmara Municipal.
De Ana Silva a 18 de Agosto de 2008 às 02:04
Peço desculpa, mas duvido que nos chegue o tal parecer da Dra Anabela e se chegar duvido que seja real e imparcial. Tambem lá tenho uma reclamação e o que me foi dito no outro dia, é que as reclamaçoes sobre a tarifa de disponibilidade encontravam-se no gabinete juridico a aguardar. Agora a Dra Anabela ocupa um lugar que é pago pelas Câmaras Porto de Mós, Batalha e Leiria, acha que a Dra irá dar um parecer contrário a quem lhe criou o gabinete? Duvido, se não for por outro meio legal por aqui não temos qualquer hipotese.
De Antonio Pires a 20 de Agosto de 2008 às 00:09
Amigo Joga, estamos hoje a 19 de Agosto, será que o parecer já chegou?Ou ainda não chegou a S/ vez?Será que já responderam a alguém?
Cumprimentos,
De Joga a 20 de Agosto de 2008 às 20:32
Não nos chegou, até agora, qualquer parecer, nem do Gabinete Juridico nem do Gabinete de Apoio ao Consumidor da nossa Câmara Municipal.
De António Pires a 21 de Agosto de 2008 às 20:16
Amigo Joga, é caso para dizer paga e não refila. Lamentavelmente, neste país, nem todos têm que cumprir a lei. Para algumas autarquias a questão social não conta, o que conta é o aumento da receita à custa dos "clientes" (pois é assim que são tratados os municipes) nem que para isso tenha que se infringir a lei.Vamos aguarda, sentados, por aquilo a que temos direito, resposta.
Cumprimentos

Comentar post

>alerta gripe A

Clique aqui

Veja AQUI as recomendações do Departamento de Saúde Pública do Ministério da Saúde.

 

 

>pensamento do mês

 

>bloco de notas

 
   
>twitter

Segue-me em http://twitter.com
 
 

>vox pop

>iniciativas

 

PrémioPM

saber mais

ver candidatos

 

>videos


 

Impulso Tecnológico

Vídeo-documento

Quebar barreiras

Concelho turístico

Prevenir, prevenir, prevenir

Espírito de Natal

Há Movimento na Serra

PDM com Rosto Humano

>pensamento lógico

 

JUNHO

MAIO 09

ABRIL 09

MARÇO 09

FEVEREIRO 09

JANEIRO 09

DEZEMBRO 08

NOVEMBRO 08

OUTUBRO 08

SETEMBRO 08

AGOSTO 08

 JULHO 08 

 JUNHO 08

MAIO 08

ABRIL 08

MARÇO 08

FEVEREIRO 08

JANEIRO 08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>this in English

>feeds