Intervenção cívica. Pela PALAVRA livre e responsável, com Porto de Mós como pano de fundo.

NOTÍCIAS porto de mós

Quinta-feira, 8 de Novembro de 2007

O nosso bolo

          O município de Porto de Mós vê aumentadas em quase seis vezes as verbas do Programa de Investimento e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para o próximo ano, subindo assim do 13ª para a 7ª posição na tabela distrital de investimentos do Governo. Esta é a notícia mais relevante para a nossa terra que surge como consequência da aprovação do Orçamento de Estado  para o próximo ano.

TRANSFERÊNCIAS

 PARA AS FREGUESIAS

# FREGUESIA TRANSF.
1 Mira de Aire 56.483€
2 Juncal 55.923€
3 S. João 49.689€
4 S. Pedro 48.780€
5 Pedreiras 46.419€
6 S. Bento 44.325€
7 Alq. da Serra 42.625€
8 Serro Ventoso 41.482€
9 Calvaria 40.022€
10 Mendiga 33.766€
11 Arrimal 29.968€
12 Alvados 29.354€
13 Alcaria 24.175€
 TOTAL                        543.011€

          Mas este aumento das verbas do PIDDAC para os 112 mil e 588 euros só é espectacular porque o ano passado o nosso concelho viu reduzidas aquelas verbas para uns escassos 19 mil euros (ver post 2006- Um balanço).
          No próximo ano a obra mais importante inscrita no PIDDAC é a criação de uma sala para a Polícia Judiciária de Porto de Mós que leva 81 mil e 500 euros do investimento da Administração Central na nossa terra. Mas, decorrente da aplicação da Lei das Finanças Locais, Porto de Mós irá receber mais 7 milhões e 390 mil euros dos quais apenas 7% será repartido pelas freguesias do concelho (ver gráfico e quadro ao lado). A maioria desta verba  será consumida, como de costume, pela máquina da administração municipal sob a forma de pagamento da despesa corrente.
          De resto, o investimento público projectado para a nossa terra não se esgotará por aqui já que não entram nesta contabilidade os investimentos ao abrigo do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) tais como a construção do IC9, que se iniciará em 2008, as obras na rede de abastecimento de água e saneamento, a comparticipação à Santa Casa da Misericórdia para a construção do centro de fisioterapia, entre outros. 
          Mais do que qualquer exibicionismo folclórico com a eventual “obra feita” com os dinheiros públicos colocados à disposição do nosso município, o executivo municipal enfrenta o grande desafio e a enorme responsabilidade de fazer bem aquilo que é sua obrigação. Dependendo do ponto de vista, poderemos sempre olhar para o concelho como quem olha para um copo com água- estará meio cheio ou meio vazio-, mas nunca como agora, um executivo municipal teve uma conjuntura política tão favorável para fazer de Porto de Mós uma terra boa para viver.

publicado por Joga às 18:16

link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Portomosense a 11 de Novembro de 2007 às 19:58
E pronto. O concelho deixou de receber (perdeu) o ano passado as verbas do PIDDAC por incompetência da Câmara. O ano já passou e não aconteceu nada. Porto de Mós ficou sem os investimentos e sem responsáveis por isso. Ou a Assembleia Municipal anda muito distraída ou , temos políticos que estão bem uns para os outros... estamos bem servidos!

Comentar post

>alerta gripe A

Clique aqui

Veja AQUI as recomendações do Departamento de Saúde Pública do Ministério da Saúde.

 

 

>pensamento do mês

 

>bloco de notas

 
   
>twitter

Segue-me em http://twitter.com
 
 

>vox pop

>iniciativas

 

PrémioPM

saber mais

ver candidatos

 

>videos


 

Impulso Tecnológico

Vídeo-documento

Quebar barreiras

Concelho turístico

Prevenir, prevenir, prevenir

Espírito de Natal

Há Movimento na Serra

PDM com Rosto Humano

>pensamento lógico

 

JUNHO

MAIO 09

ABRIL 09

MARÇO 09

FEVEREIRO 09

JANEIRO 09

DEZEMBRO 08

NOVEMBRO 08

OUTUBRO 08

SETEMBRO 08

AGOSTO 08

 JULHO 08 

 JUNHO 08

MAIO 08

ABRIL 08

MARÇO 08

FEVEREIRO 08

JANEIRO 08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>this in English

>feeds