Intervenção cívica. Pela PALAVRA livre e responsável, com Porto de Mós como pano de fundo.

NOTÍCIAS porto de mós

Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007

Novo quartel em que sítio?

         Vote Aqui!       

          O futuro quartel dos Bombeiros Voluntários de Porto de Mós não deve ser localizado no terreno de luta política entre duas personalidades e respectivas facções. Antes pelo contrário, o debate deveria ser reorientado de modo a conferir prioridade às necessidades e expectativas da nossa comunidade.

          Numa perspectiva sociológica sobre os espaços públicos urbanos, esta poderia muito bem ser uma recomendação de Patrick GEDDES, famoso arquitecto irlandês, adepto fervoroso da máxima "survey before plan" (que inclui o levantamento das condições físicas-geográficas da cidade, mas também dos seus recursos sociais, culturais e históricos) e da exposição pública de resultados para que possa haver discussão e participação dos cidadãos nas acções de planeamento da cidade.
          Mais do que a construção impositiva de equipamentos e infra-estruturas mais ou menos “a retalho”  valeria a pena pensar Porto de Mós à luz de um urbanismo próximo do cidadão. A várzea ou o espaço em frente ao cemitério são apenas dois dos locais de intervenção urbanística na nossa vila que mereceriam, antes de mais, um adequado planeamento de pormenor.
          No nosso concelho, como de resto na maior parte dos municípios, a Câmara Municipal demite-se das suas responsabilidades urbanísticas, colocando os cidadãos perante factos consumados, a maior parte das vezes congeminados no mundo paralelo em que se movem os instrumentos substitutos do planeamento de pormenor. “Daí - como diz o Arq. Fernando Gonçalves no Boletim de Arquitectura nº 149 - a frustração que persegue o cidadão: poucas vezes sabe o que se passa e, mesmo quando sabe, quase sempre é impotente para fazer valer os seus direitos e imprimir outro curso a procedimentos que irão afectar, de modo permanente, a qualidade de vida da sua comunidade.”
          O irónico desta polémica da localização do futuro quartel dos nossos bombeiros voluntários é que estamos apenas perante um choque de personalidades que, infelizmente, têm a mesma visão do espaço público urbano.

publicado por Joga às 15:00

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 27 de Novembro de 2007

Carta aberta

Ex.mo senhor

Rui Neves
Vereador Câmara Municipal Porto de Mós


          Venho deste modo exortar V. Excia a dar cumprimento ao compromisso que assumiu de dotar, neste inicio de ano lectivo, o jardim de infância da Tremoceira de uma ligação à Internet  mais adequada às necessidades pedagógicas daquela escola. Sei que V. Excia tem intenção de colocar Internet sem fios em todos os jardins de infância do concelho e gostaria de alertar que, do meu ponto de vista, se trata de um pequeno disparate porque é um tipo de ligação mais lenta e mais cara do que aquela que pode obter através do ADSL, tanto mais que os jardins de infância possuem linha de telefone fixo. Fixa ou móvel,  2Mbps de velocidade de downstream e 128Kbps de velocidade de upstream é a configuração mínima adequada para as necessidades deste jardim de infância. É, finalmente, de toda a utilidade que os computadores do jardim de infância estejam ligados em rede entre si de modo a partilharem este novo acesso à internet.

Porto de Mós, 10 Outubro 2007

Cumprimentos do
Joga

publicado por Joga às 18:21

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007

Vem aí mau tempo

          O alerta para as inundações é da Autoridade Nacional de Protecção Civil que recomenda a desobstrução dos sistemas de escoamento de águas pluviais e a retirada de inertes que possam ser arrastados pelas águas. Mais de metade do Rio Lena está parcialmente entupido. E um dia destes, se a Ribeira de Baixo voltar a sofrer dramáticas inundações, a culpa poderá não ser só do tempo que faz.
   Leito do Rio Lena      
      João Salgueiro, presidente da Câmara e responsável local do sistema de protecção civil, garante que teve a preocupação de preparar melhor esta época de Inverno e que foram efectuados vários trabalhos de limpeza e algumas obras para minimizar futuros estragos. As margens do rio sofreram uma importante intervenção de regularização a montante. Contudo, mais de metade da extensão do seu leito, a jusante da vila, está parcialmente obstruída. Pelas leis da natureza, fácil é perceber que se as obras efectuadas protegem de inundações a Ribeira de Cima e uma parte da vila, essas mesmas obras irão provocar maiores transtornos aos habitantes da Ribeira de Baixo que terão cheias mais acentuadas. Para preparar eficazmente a vinda das chuvas intensas e minimizar inundações, seria necessário desobstruir todo o leito do Rio Lena e, metodicamente todos os anos, ir consolidando as margens até à entrada no concelho da Batalha. João Salgueiro não pode, assim, dormir descansado com o mau tempo que inevitavelmente virá. 
         

Conselhos Úteis

          Desobstruir os sistemas de escoamento das águas pluviais e retirar os inertes que possam ser arrastados.
          Limpar os bueiros, algerozes, caleiras e respectivos sistemas de escoamento.
          Fechar portas e janelas assim como arrumar equipamentos soltos, caixotes de lixo ou outros objectos para não serem levados pelo vento mais forte.
          Ter atenção à possível formação de lençóis de água nas vias, que aumenta o perigo de acidentes rodoviários.

Inundações recentes

          25 Outubro 2006- Transbordo do rio provoca inundações. Vários muros derrubados pela água e duas pessoas evacuadas na Ribeira de Cima. Foram afectadas algumas casas de habitação com a água a atingir 1,20 metros de altura. Piscinas municipais e Ecoteca inundados. Estrada 362 cortada devido a desabamentos de terras e arrastamento de inertes pela enxurrada.

          16 Junho 2006- Dois imigrantes moldavos perdem a vida ao cairem numa pequena ribeira, afluente do rio Lena, na Ribeira de Baixo. Tentavam progredir a pé num lençol de água formado por uma forte enxurrada que caiu durante uma hora. Pai e filho foram arrastados para o rio. Vários prejuízos são registados em edifícios públicos e habitações.
publicado por Joga às 12:00

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 14 de Novembro de 2007

Cheira a Congo na nossa terra

"Temos um sonho tão maravilhoso. Paz. União. Progresso. Mas somos congoleses e, sempre que sonhamos voltamos ao princípio. E, por isso, o amanhã nunca chega."

O Canto da Missão

          O Canto da Missão, a ficção literária de Jonh Le Carré, é uma caminhada pelo vale obscuro da hipocrisia política ocidental... até à luz.

          Surpreendentemente, ou talvez não, também há um certo cheiro a Congo na nossa política local.
          Bruno Salvador, a quem chamam Salvo, é filho de um missionário irlandês e de uma congolesa. Educado na Missão em Kivu, uma província do Congo e vive em Londres onde trabalha como intérprete. É dotado de reconhecida competência profissional e de uma inabalável candura. O exercício da sua profissão faz despertar nele a consciência africana adormecida ao aperceber-se que havia uma conspiração para roubar os recursos naturais da sua terra natal. 
         Eis a denúncia de Salvo:
          "A finalidade ostenciva da operação- insisti em voz alta- é criar um Kivu democrático e unido. No entanto o verdadeiro objectivo é um pouco diferente. Roubar o Congo Oriental de todos os minerais em que o Sindicato consiga pôr as mãos em cima, incluindo as grandes reservas de coltan, e, consequentemente, proporcionar lucros de milhões aos investidores e nada para o povo do Kivu. (…) O povo será roubado. Despojado, como de costume- protestei, sentindo agora que só estava a falar para mim mesmo. –É uma história antiga. Vigarice com outro nome. –Tinha guardado um trunfo até ao último minuto".
          Esta fábula torna incontornável uma certa reflexão sobre os processos de licenciamento dos parques eólicos no nosso concelho e como seria útil, porventura, que emergisse do seio da nossa comunidade, um portomosense com o perfil de Salvo, generoso, voluntarista e de candura inabalável. Mas na nossa terra não há mais lugar para heróis típicos da ficção. Resta apenas um certo sentimento de justiça ou injustiça que forma a consciência cívica de cada um de nós.

publicado por Joga às 17:00

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 8 de Novembro de 2007

O nosso bolo

          O município de Porto de Mós vê aumentadas em quase seis vezes as verbas do Programa de Investimento e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para o próximo ano, subindo assim do 13ª para a 7ª posição na tabela distrital de investimentos do Governo. Esta é a notícia mais relevante para a nossa terra que surge como consequência da aprovação do Orçamento de Estado  para o próximo ano.

TRANSFERÊNCIAS

 PARA AS FREGUESIAS

# FREGUESIA TRANSF.
1 Mira de Aire 56.483€
2 Juncal 55.923€
3 S. João 49.689€
4 S. Pedro 48.780€
5 Pedreiras 46.419€
6 S. Bento 44.325€
7 Alq. da Serra 42.625€
8 Serro Ventoso 41.482€
9 Calvaria 40.022€
10 Mendiga 33.766€
11 Arrimal 29.968€
12 Alvados 29.354€
13 Alcaria 24.175€
 TOTAL                        543.011€

          Mas este aumento das verbas do PIDDAC para os 112 mil e 588 euros só é espectacular porque o ano passado o nosso concelho viu reduzidas aquelas verbas para uns escassos 19 mil euros (ver post 2006- Um balanço).
          No próximo ano a obra mais importante inscrita no PIDDAC é a criação de uma sala para a Polícia Judiciária de Porto de Mós que leva 81 mil e 500 euros do investimento da Administração Central na nossa terra. Mas, decorrente da aplicação da Lei das Finanças Locais, Porto de Mós irá receber mais 7 milhões e 390 mil euros dos quais apenas 7% será repartido pelas freguesias do concelho (ver gráfico e quadro ao lado). A maioria desta verba  será consumida, como de costume, pela máquina da administração municipal sob a forma de pagamento da despesa corrente.
          De resto, o investimento público projectado para a nossa terra não se esgotará por aqui já que não entram nesta contabilidade os investimentos ao abrigo do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) tais como a construção do IC9, que se iniciará em 2008, as obras na rede de abastecimento de água e saneamento, a comparticipação à Santa Casa da Misericórdia para a construção do centro de fisioterapia, entre outros. 
          Mais do que qualquer exibicionismo folclórico com a eventual “obra feita” com os dinheiros públicos colocados à disposição do nosso município, o executivo municipal enfrenta o grande desafio e a enorme responsabilidade de fazer bem aquilo que é sua obrigação. Dependendo do ponto de vista, poderemos sempre olhar para o concelho como quem olha para um copo com água- estará meio cheio ou meio vazio-, mas nunca como agora, um executivo municipal teve uma conjuntura política tão favorável para fazer de Porto de Mós uma terra boa para viver.

publicado por Joga às 18:16

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

>alerta gripe A

Clique aqui

Veja AQUI as recomendações do Departamento de Saúde Pública do Ministério da Saúde.

 

 

>pensamento do mês

 

>bloco de notas

 
   
>twitter

Segue-me em http://twitter.com
 
 

>vox pop

>iniciativas

 

PrémioPM

saber mais

ver candidatos

 

>videos


 

Impulso Tecnológico

Vídeo-documento

Quebar barreiras

Concelho turístico

Prevenir, prevenir, prevenir

Espírito de Natal

Há Movimento na Serra

PDM com Rosto Humano

>pensamento lógico

 

JUNHO

MAIO 09

ABRIL 09

MARÇO 09

FEVEREIRO 09

JANEIRO 09

DEZEMBRO 08

NOVEMBRO 08

OUTUBRO 08

SETEMBRO 08

AGOSTO 08

 JULHO 08 

 JUNHO 08

MAIO 08

ABRIL 08

MARÇO 08

FEVEREIRO 08

JANEIRO 08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>this in English

>feeds