Intervenção cívica. Pela PALAVRA livre e responsável, com Porto de Mós como pano de fundo.

NOTÍCIAS porto de mós

Terça-feira, 28 de Novembro de 2006

Anúncio de uma nova conjuntura


          A Junta de Serro Ventoso anuncia a inauguração de um novo centro de saúde na freguesia. Por seu lado, a Junta de S. João inaugurou, pela primeira vez em 700 anos, uma nova sede na sua própria freguesia. A Câmara anuncia querer iniciar as obras de saneamento na vila de Mira de Aire e não abdica de embelezar a vila de Porto de Mós. Afinal, a quantas vozes se faz o desenvolvimento do concelho?


          A resposta a esta pergunta encerra em si a própria concepção política do nosso poder autárquico. A atitude desafiadora das Juntas de Serro Ventoso e de S. João que assinalam um ano de mandato com inaugurações à revelia do actual poder municipal pode ser visto obviamente como uma forma de confronto político-partidário momentâneo ou então, despida a “camisola partidária”, poderá revelar algo mais profundo, sinal de que as Juntas de Freguesia querem ter a autonomia que a lei lhes confere para gerir a sua própria agenda de desenvolvimento local. Esta é uma pretensão respeitável, e assim, o município terá um  desenvolvimento a tantas vozes quanto o espírito empreendedor dos seus autarcas ditar. Aqui reside uma das virtudes do poder local democrático.

          Todos sabemos, contudo, como a Câmara pode condicionar este movimento e até “fazer batota” política com a administração da aprovação de projectos e financiamentos. No fundo, e numa lógica de manutenção do poder, a Câmara pode escolher “filhos”, rejeitar “enteados” e travar iniciativas locais que dêem protagonismo a alguns presidentes de Junta inconvenientes.  E no entanto, o que os eleitores do concelho esperam é que a Câmara seja motor e não travão. A bem do município e do serviço público que presta aos munícipes, a Câmara, que não detém o monopólio do desenvolvimento local, nunca deveria cair na tentação de despir a camisola de Presidente de Junta aos eleitos locais porque isso significaria que as Juntas de Freguesia passariam a ser simples delegações da Câmara Municipal, numa completa subversão do sistema político local.

          No passado recente, e sob o manto protector do Partido Social Democrata, qualquer freguesia que reclamasse o direito à autonomia que a lei lhe confere, era votada ao ostracismo porque colocava em causa o bom nome e a pretensa unidade do município. Hoje, que um certo défice democrático foi aparentemente superado, o que se pede aos detentores de cargos políticos, na Câmara ou nas Juntas de Freguesia, é que deixem definitivamente de lado o jogo da pura gestão individual das suas carreiras políticas e assumam a responsabilidade da condução do nosso destino comum. Sem complexos de poder, uns e outros têm uma terra por desenvolver, bem-estar e paz social para proporcionar a todos os portomosenses, da Calvaria ao Arrimal. O reconhecimento dos eleitores advirá pelo mérito e competência e não por "truques" mais ou menos bem encenados. Afinal foram os portomosenses quem escolheu esta conjuntura política e, assim pôr à prova os nossos políticos locais.

publicado por Joga às 21:04

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 21 de Novembro de 2006

Um silêncio comprometedor

          Mais do que responder ao pedido de esclarecimento sobre a revisão do Plano Director Municipal (PDM) solicitado pelo deputado portomosense Carloto Marques, a Câmara Municipal deveria dar resposta aos problemas dos seus munícipes. Os cidadãos não esperam desculpas, esperam soluções.


          A revisão do PDM constitui um daqueles actos administrativos em que é preciso coragem política e um grande sentido de equilíbrio para decidir com equidade entre o bem público e os interesses privados. De um lado o rigor tecnocrático do planeamento a régua-e-esquadro, do outro o desejo dos jovens que querem fixar residência no sítio onde nasceram, junto aos pais e avós. Pelo meio, é preciso pôr travão a todo o tipo de interesses da especulação imobiliária e do crescimento desordenado do nosso tecido urbano.
          Este foi, de resto, um dos pilares da campanha eleitoral em que Salgueiro se comprometeu publicamente a encarar o problema de frente, sem adiamentos calculistas, declarando mesmo a intenção de servir de “procurador” dos cidadãos junto da administração regional.
          Um ano depois, a falta de resposta ao pedido de esclarecimento do deputado Carloto Marques e o silêncio dos nossos autarcas perante a população são, no mínimo, comprometedores.

publicado por Joga às 11:23

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Domingo, 19 de Novembro de 2006

Salgueiro é líder virtual

 

          Apesar das críticas da oposição que acusa João Salgueiro de ser um líder fraco, o actual presidente da Câmara é indiscutivelmente a personalidade do nosso universo autárquico com maior notoriedade na internet. Pelo contrário, a personalidade "forte" de Albino Januário, não tem expressão no ciberespaço e, se não está a quebrar a coesão interna na equipa governativa, transmite sinais que corroem a liderança efectiva do presidente da edilidade aos olhos dos munícipes.

           A ciber-notoriedade ou reconhecimento de Salgueiro advém sobretudo da sua exposição mediática aquando das calamidades que atingiram o concelho (ainda as enxurradas na Ribeira de Baixo com a morte de Dumitru e Victor Mosnoi, dois imigrantes moldavos e os incêndios florestais que vitimaram Viviana Dionísio, uma bombeira voluntária do Bombarral). Num total de 84 ocorrências relevantes, 55 tiveram origem em notícias difundidas pelos órgãos de comunicação social cujo eco foi possível detectar na Internet.

           Já Albino Januário, técnico oficial de contas e vice-presidente da Câmara, ou mesmo Luís Malhó, presidente da Assembleia Municipal, têm uma presença residual na internet com 9 e 3 ocorrências relevantes, respectivamente.
           Ficam por demonstrar as virtualidades da liderança de João Salgueiro. O forte ascendente de Albino Januário sobre as decisões do presidente Salgueiro poderá, a prazo, provocar-lhe grandes dissabores.
           Estão, portanto,  criadas as expectativas para ver o que realmente vai acontecer a este triângulo: o município, o contabilista e o presidente deles.


Ficha Técnica:
♦ Motor de busca:
GOOGLE, Opção: páginas de Portugal. ♦ CRITÉRIO_1: “joão salgueiro” + “porto de mós” + “câmara” RESULTADO: 84 ocorrências relevantes das quais 55 relativas a notícias. ♦ CRITÉRIO_2: “albino januário” + “porto de mós” + “câmara” RESULTADO: 9 ocorrências relevantes das quais 5 relativas a notícias. ♦  CRITÉRIO _3: “luís malhó” + “porto de mós” + “assembleia municipal” RESULTADO: 3 ocorrências das quais 1 é relativa a notícia.
publicado por Joga às 13:12

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Novembro de 2006

O governo do município

         

           O executivo camarário está a cometer o erro de não ouvir a sociedade nem tão pouco uma boa parte da sua base de apoio. Parece que vê até com algum desconforto as sugestões que lhe são feitas, queixando-se de tentativa de partidarização pela comissão política do partido Socialista.


          Este é um argumento que importa ter em conta para perceber a natureza do poder que a maioria dos portomosenses colocou no governo do seu município.
          O quadro de pessoal da Câmara permanece estável e não consta que o partido Socialista tenha pressionado o executivo para a admissão de novos funcionários mediante a apresentação do cartão partidário. Esta sim, seria uma inaceitável forma de partidarização da Câmara Municipal.
          Sugerir, aconselhar, partilhar e rectificar informação são actos normais de solidariedade política  e de suporte entre um órgão autárquico e o partido que o apoia. Ou não é normal que o partido seja o primeiro interessado em que os candidatos que ratificou façam um bom mandato ao serviço das populações?
          Depois, parece despropositada a queixa de tentativa de partidarização do governo do município numa câmara em que apenas um dos quatro membros executivos é filiado no partido Socialista!
          A queixa ou lamento revelará então, por contraste, uma aspiração frustrada ab initio: a de governamentalizar a concelhia do PS à boa imagem da prática dos executivos de José Ferreira em relação ao PSD. Todos sabemos o que o concelho ganhou com isso.
          Maioria absoluta, não significa poder absoluto do presidente, vice-presidente ou vereadores constituindo o exercício do contraditório um bom método para a tomada de decisões justas. De resto, este exercício metódico só rebustece o argumentário do executivo no confronto político com a oposição.

          Na medida em que cultivarem o autismo na acção política, os nossos políticos profissionais deixarão emergir projectos pessoais de poder que, inevitavelmente, arrastarão consigo o pior da natureza humana ficando para trás o desenvolvimento estrutural do concelho. Uma vez mais…

publicado por Joga às 00:52

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 3 de Novembro de 2006

O município na televisão

 

          Porto de Mós chegou à televisão e mostrou-se por inteiro ao país. Mas não basta o contentamento momentâneo pela exposição mediática. A vida dos munícipes também deve melhorar com isso.

          Recentemente Porto de Mós marcou a agenda informativa das televisões por força das enxurradas ou fogos florestais, mas também por terem ocorrido aqui "ajustes de contas" entre gangs de imigrantes e alguns assaltos nas pedreiras. Pelo meio, foi transmitida uma Missa directamente da igreja de S. Pedro para Portugal ver. Inevitavelmente caímos no lugar comum: a televisão, a caixa que muda o mundo, está a fazer parte das nossas vidas retratando-as.

           Na relação com os media, o presidente da Câmara está a percorrer o seu próprio caminho:
          - Mal, quando assume protagonismo desnecessário nas cerimónias religiosas transmitidas por ocasião das festas de S. Pedro. São respeitáveis as convicções religiosas do cidadão João Salgueiro mas não havia necessidade do presidente da Câmara pegar na cruz e encabeçar o cortejo eucarístico. Ser presidente de todos os portomosenses exigia outra discrição.
           - Bem, quando surge diligente no local da notícia para informar o que está a ser feito, para confortar as vítimas, para controlar a situação expondo-se necessariamente aos media no local.

           Este é, contudo, o primeiro passo no sentido certo ao qual importa dar sequência. Para tal será útil reflectir sobre a abordagem das catástrofes feita através da televisão.     

          Os acontecimentos de Entre-os-Rios colocaram à evidência que a exposição mediática pode gerar formas novas de compensação colectiva quando é usada como forma de pressão junto das autoridades reivindicando melhores condições de vida, conforme demonstra Daniela Santiago na sua tese "O Reconforto da Televisão".  

           Não haja dúvidas que, por força da presença das televisões, também os problemas de Porto de Mós serão vistos com outros olhos:
          - Depois dos incêndios florestais, uma cadeia de supermercados ofereceu, através da televisão, uma viatura aos Bombeiros Voluntários da sede do concelho e o presidente Salgueiro ganhou notoriedade para defender os interesses dos portomosenses que habitam na área ardida de Parque Natural.
          - Depois da tragédia das cheias da Ribeira, e por força da televisão, ganhou outra urgência junto da administração central a obra de regularização das margens do rio Lena.
          - Depois das notícias de “ajustes de contas” entre gangs de imigrantes e da onda de assaltos em algumas pedreiras do concelho estava criada a oportunidade para tratar os focos de insegurança com os agentes da administração interna, dando resposta ao problema, tranquilizando ao mesmo tempo os cidadãos.

           Não se trata de condicionar a vida do município a uma agenda mediática ocasional, mas tão só tirar partido desse agendamento. Continuará a haver quem olhe com desconfiança para a presença da televisão mas o desafio é olhar para ela como aliada e tirar partido disso.

"O RECONFORTO DA TELEVISÃO", A jornalista Daniela Santiago (RTP) apresenta uma visão diferente da tragédia de Entre-os-Rios.  A reflexão que conduz, passa também por depoimentos de profissionais dos media entre os quais o testemunho do repórter de imagem João A. Gabriel (TVI).

Saber mais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    

 

publicado por Joga às 04:32

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

>alerta gripe A

Clique aqui

Veja AQUI as recomendações do Departamento de Saúde Pública do Ministério da Saúde.

 

 

>pensamento do mês

 

>bloco de notas

 
   
>twitter

Segue-me em http://twitter.com
 
 

>vox pop

>iniciativas

 

PrémioPM

saber mais

ver candidatos

 

>videos


 

Impulso Tecnológico

Vídeo-documento

Quebar barreiras

Concelho turístico

Prevenir, prevenir, prevenir

Espírito de Natal

Há Movimento na Serra

PDM com Rosto Humano

>pensamento lógico

 

JUNHO

MAIO 09

ABRIL 09

MARÇO 09

FEVEREIRO 09

JANEIRO 09

DEZEMBRO 08

NOVEMBRO 08

OUTUBRO 08

SETEMBRO 08

AGOSTO 08

 JULHO 08 

 JUNHO 08

MAIO 08

ABRIL 08

MARÇO 08

FEVEREIRO 08

JANEIRO 08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>this in English

>feeds