Intervenção cívica. Pela PALAVRA livre e responsável, com Porto de Mós como pano de fundo.

NOTÍCIAS porto de mós

Quinta-feira, 31 de Agosto de 2006

A Assembleia na Mira

 

           Mira de Aire vai acolher o plenário da Assembleia Municipal no próximo mês de Setembro por vontade do seu presidente Luís Malhó que assim quer dar um sinal de descentralização da instituição a que preside. Distribuir o bem pelas freguesias é, contudo, muito mais do que um mero acto simbólico.

          Esta é definitivamente uma iniciativa com potencial.

          No plano simbólico, é sinal de aproximação dos eleitos aos eleitores e de descentralização do poder municipal. Cria, por isso, fortes expectativas para as treze freguesias do concelho.

          No plano político, o sucesso da iniciativa está refém da agenda concreta que a Câmara vai levar a plenário em Mira de Aire sendo expectável que sejam discutidos e decididos assuntos relevantes para esta freguesia. Não valerá a pena sair da sede do concelho para levar o  "folclore político pelas aldeias". Curiosamente esta iniciativa reflecte também uma mudança de paradigma do órgão autárquico que à mais de 30 anos mantém a mesma maioria partidária e o mesmo e paradoxal centralismo. Esta deslocação a Mira de Aire dos deputados municipais constitui também mais uma boa oportunidade para dignificar a Assembleia Municipal depois da triste imagem que revelou no folhetim da variante a Porto de Mós. 

           Luís Malhó, em defesa da bondade da sua iniciativa, tem o dever de gerir bem as expectativas entretanto criadas. Fazer desta Assembleia de Mira de Aire mais um episódio de chicana política inconsequente é transformar uma ideia virtuosa numa iniciativa meramente folclórica desprovida de qualquer sentido.

          Enfim, resta aferir se a velha maioria municipal consolida ou não a adesão a este novo paradigma: distribuir o bem pelas freguesias respeitando a autonomia administrativa das Juntas de Freguesia como poder mais próximo dos cidadãos na perspectiva de que o concelho progrida com o desenvolvimento de cada uma das suas freguesia. 

          A Assembleia  Municipal de Setembro está, por isso, na mira de todos os portomosenses.

publicado por Joga às 10:38

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 16 de Agosto de 2006

As lombas da Ribeira

          A Comissão de Moradores da Ribeira de Baixo, depois de ter levantado, justamente, a voz alertando para o mau estado da estrada nacional 362 que liga Porto de Mós à Batalha, vem agora protestar contra a colocação de lombas naquela via que, entretanto, sofreu profundas obras de beneficiação.

          O grande objectivo das lombas rodoviárias é coagir os condutores a reduzir a velocidade quando se aproximam de algumas zonas mais propícias a sinistros. O desconforto e os danos causados aos veículos que as atravessam em excesso de velocidade fazem das bandas sonoras o ódio de estimação de quase todos os automobilistas. Apesar disso, elas parecem ter vindo para ficar. Na estrada da Ribeira de Baixo as lombas cresceram como cogumelos quer no troço do lado da Batalha quer do lado do município de Porto de Mós. Notoriamente houve um plano das entidades a quem compete a instalação destas marcas de “acalmia de tráfego” (Câmaras Municipais ou Instituto de Estradas de Portugal) para refrear o ímpeto pela velocidade dos automobilistas que circulam naquela estrada novinha em folha.

          Através do despacho nº 109/2004, a Direcção Geral de Viação aprova os requisitos técnicos de instalação e sinalização das Lombas Redutoras de Velocidade dando assim cobertura legal à implementação das lombas rodoviárias.

          É, contudo, um direito de cidadania que assiste à Comissão de Moradores da Ribeira de Baixo, fiscalizar a instalação das lombas na estrada nacional 362 e reclamar caso não tenham sido cumpridos exaustivamente todos os requisitos da Nota Técnica da DGV.

 

publicado por Joga às 11:58

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

>alerta gripe A

Clique aqui

Veja AQUI as recomendações do Departamento de Saúde Pública do Ministério da Saúde.

 

 

>pensamento do mês

 

>bloco de notas

 
   
>twitter

Segue-me em http://twitter.com
 
 

>vox pop

>iniciativas

 

PrémioPM

saber mais

ver candidatos

 

>videos


 

Impulso Tecnológico

Vídeo-documento

Quebar barreiras

Concelho turístico

Prevenir, prevenir, prevenir

Espírito de Natal

Há Movimento na Serra

PDM com Rosto Humano

>pensamento lógico

 

JUNHO

MAIO 09

ABRIL 09

MARÇO 09

FEVEREIRO 09

JANEIRO 09

DEZEMBRO 08

NOVEMBRO 08

OUTUBRO 08

SETEMBRO 08

AGOSTO 08

 JULHO 08 

 JUNHO 08

MAIO 08

ABRIL 08

MARÇO 08

FEVEREIRO 08

JANEIRO 08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>this in English

>feeds