Intervenção cívica. Pela PALAVRA livre e responsável, com Porto de Mós como pano de fundo.

NOTÍCIAS porto de mós

Quinta-feira, 5 de Outubro de 2006

No melhor pano

          A par da aprovação de mais um empréstimo bancário, a Assembleia Municipal em Mira de Aire vetou a possibilidade do município arrecadar receitas próprias através do imposto local chamado “derrama”. Este foi o acontecimento extraordinário que marcou o plenário de deputados municipais e que irá afectar negativamente o equilíbrio das contas do município. Mas que razões poderá invocar a maioria municipal para justificar este acto de irresponsabilidade política?

          A derrama em Porto de Mós era historicamente de 5%. Em 2005, porém, foi aprovada uma derrama com taxa zero. Tal como hoje, a situação financeira do município exigia rigor. Não houve portanto qualquer alteração no concelho que justificasse tal decisão a não ser, claro, a certeza de eleições autárquicas em Outubro desse ano e a perspectiva de usar a isenção da derrama como trunfo eleitoral junto dos empresários locais. O acto eleitoral, porém, derrotou o executivo afecto ao PSD e esse argumento deixou de fazer sentido para justificar a decisão da actual Assembleia Municipal que continua com maioria daquele partido.

          A derrama (quer na versão antiga quer neste novo modelo proposto pela Lei das Finanças Locais) é uma taxa que visa fortalecer os cofres do município para fazer face a investimentos estruturais. Se olharmos para os municípios à nossa volta verificamos que todos eles, sem excepção, se apoiaram nesse imposto para o seu próprio desenvolvimento. Em 2005, Leiria tinha uma taxa de 10% de derrama, Batalha-5%, Alcanena-10%, Santarém-9% e Alcobaça-10%. Se Porto de Mós, com 0% de taxa de derrama, sacrificou este instrumento de desenvolvimento local em favor da perspectiva de fixação de investimentos privados no concelho, perdeu em toda a linha neste nosso contexto regional.  Cada um dos cidadãos, munícipes deste concelho, saberá avaliar os resultados olhando para os concelhos vizinhos. E não se trata da visão da galinha da vizinha…

           Numa Assembleia promissora, a velha maioria do PSD voltou, assim, a insistir no erro autorizando a Câmara a contrair novo empréstimo bancário mas rejeitando dotar o executivo de um instrumento importante para ajudar a cumprir as obrigações financeiras decorrentes de tal decisão. Digamos que, em Mira de Aire, a oposição ofereceu, por despeito, negligência ou má-fé, um presente envenenado aos actuais gestores do município.

          Seria interessante e, porventura revelador de alguma lucidez política, que o executivo municipal tivesse tido a coragem de confrontar a oposição com as suas próprias decisões vinculando a aprovação do empréstimo à aprovação de uma taxa de derrama. A aposta clara no desenvolvimento sustentado do nosso concelho justificaria uma atitude mais firme do tipo “tudo ou nada”.

          Afinal, no melhor pano da democracia cai a nódoa das decisões erradas.

publicado por Joga às 17:50

link do post | comentar | favorito

>alerta gripe A

Clique aqui

Veja AQUI as recomendações do Departamento de Saúde Pública do Ministério da Saúde.

 

 

>pensamento do mês

 

>bloco de notas

 
   
>twitter

Segue-me em http://twitter.com
 
 

>vox pop

>iniciativas

 

PrémioPM

saber mais

ver candidatos

 

>videos


 

Impulso Tecnológico

Vídeo-documento

Quebar barreiras

Concelho turístico

Prevenir, prevenir, prevenir

Espírito de Natal

Há Movimento na Serra

PDM com Rosto Humano

>pensamento lógico

 

JUNHO

MAIO 09

ABRIL 09

MARÇO 09

FEVEREIRO 09

JANEIRO 09

DEZEMBRO 08

NOVEMBRO 08

OUTUBRO 08

SETEMBRO 08

AGOSTO 08

 JULHO 08 

 JUNHO 08

MAIO 08

ABRIL 08

MARÇO 08

FEVEREIRO 08

JANEIRO 08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>posts recentes

> Inauguração

> Argumentário

> Rescaldo eleitoral

> Voto com sentido

> Pré-campanha quente

> Debate autárquico - 2ª Pa...

> Debate autárquico - 1ª Pa...

> Argumentário de Agosto

> Ambientalistas contra par...

> Argumentário de Julho

> O filho pródigo

> Felicidades, Júlio Vieira

> Argumentário de Junho

> Uma questão pessoal

> Um Concelho de Freguesias

> Vêm aí o S. Pedro

> Argumentário de Maio

> Um repto

> Vida de repórter

> Não há factos, só silênci...

>pensar

>edição

>pesquisar

 

>arquivos

> Outubro 2009

> Setembro 2009

> Agosto 2009

> Julho 2009

> Junho 2009

> Maio 2009

> Abril 2009

> Março 2009

> Fevereiro 2009

> Janeiro 2009

> Dezembro 2008

> Novembro 2008

> Outubro 2008

> Setembro 2008

> Agosto 2008

> Julho 2008

> Junho 2008

> Maio 2008

> Abril 2008

> Março 2008

> Fevereiro 2008

> Janeiro 2008

> Dezembro 2007

> Novembro 2007

> Outubro 2007

> Setembro 2007

> Agosto 2007

> Julho 2007

> Junho 2007

> Maio 2007

> Abril 2007

> Março 2007

> Fevereiro 2007

> Janeiro 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Agosto 2006

> Julho 2006

>this in English

>feeds